Keizer: "Não fomos tão bons como costumamos ser"

O treinador do Sporting admitiu algum cansaço da sua equipa e lamentou não ter feito o 3-0 para gerir melhor o jogo. Ivo Vieira assumiu que o seu Moreirense deu "dois golos de vantagem" ao adversário

Marcel Keizer, treinador do Sporting, admitiu que a sua equipa não esteve ao nível que pretendia no jogo deste sábado com o Moreirense, que os leões venceram por 2-1.

"A nossa segunda parte não foi boa, estávamos a ganhar só por um e ainda faltava muito tempo para jogar. Foi difícil, mas jogadores correram muito e deram tudo o que tinham. Na posse não fomos tão bons como costumamos ser, mas na atitude estivemos muito bem", admitiu.

O técnico holandês mostrou-se no entanto satisfeito pela forma como decorreu a primeira parte. "Começámos muito bem, marcámos logo aos dois minutos e pouco depois marcámos o segundo. Depois disso, jogámos para marcar mais, mas sofremos e a equipa não ficou tão bem no jogo e perdemos algumas oportunidades", explicou

Keizer admitiu ainda algum cansaço por parte do Sporting. "Normalmente, se fizéssemos o 3-0 as coisas podiam tornar-se mais fáceis para nós e permitia-nos fazer três substituições, mas as coisas saíram ao contrário, tivemos de lutar até ao fim e os jogadores já estavam mais cansados. Felizmente, temos alguns dias para descansar e preparar o próximo jogo."

Questionado sobre a possibilidade de Marcos Acuña deixar Alvalade durante o mercado de inverno, deixou uma certeza: "Gosto muito do Acuña como jogador e pessoa e espero que ele fique. Todos querem reforçar os plantéis, mas estes são os jogadores que temos."

Por sua vez, Ivo Vieira lamentou que o Moreirense tenha dado "dois golos de vantagem" ao Sporting. "Nos primeiros 30 minutos não atacámos, o Sporting teve o controlo do jogo. Fazer 30 minutos ou 90 e só defender é tanto mais frustrante do que fazer o que fizemos nos últimos 15 minutos da primeira parte. Depois a equipa procurou jogar o jogo pelo jogo na segunda parte. Não criámos oportunidades, mas tivemos mais bola, mais caudal ofensivo, os jogadores trabalharam até à exaustão, prefiro que se jogue desta forma, podíamos perder por 4-1, mas a equipa quis atacar, isso só privilegia a equipa", frisou o técnico, garantindo que quer o Moreirense "dos 70 minutos e não dos primeiros 20".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.