Keizer e a final da Taça de Portugal: "Vai ser um grande dia"

Treinador do Sporting abordou esta sexta-feira a final da Taça de Portugal, sábado (17.15, RTP1), frente ao FC Porto.

Marcel Keizer chegou ao Jamor logo na época de estreia no comando da equipa do Sporting e isso só o pode deixar feliz. "Claro que é bom estar aqui. Portugal é um país que vive muito futebol, vamos jogar a final da Taça de Portugal, vai ser um grande dia. Para os jogadores, para os treinadores e para os adeptos", disse o treinador dos leões na antevisão da final da Taça de Portugal, amanhã, com o FC Porto.

Sporting e FC Porto já se encontraram três vezes esta temporada. Na última jornada do campeonato, o FC Porto venceu, em casa, por 2-1. No entanto, o Sporting já bateu a equipa portista numa final, em janeiro, na Taça da Liga: "Já jogámos uma final [Taça da Liga]. Esta será a segunda final com o FC Porto. As finais são sempre diferentes. Amanhã podemos esperar duas equipas que vão fazer tudo para ganhar. Vai ser um dia diferente de um jogo normal da Liga".

Para o técnico leonino "jogar com o FC Porto é sempre especial". Quando questionado se treinou as grandes penalidades, ainda mais porque ganhou a Taça da Liga frente aos portistas na marca dos 11 metros, Keizer respondeu: ""Preparámo-nos para tudo, penáltis inclusive."

De resto "é um jogo importante", Mas é mais importante para quem? "Para nós é muito importante. Não sei para o FC Porto... Há pressão e nós gostamos dela", respondeu o holandês.

Borja e Ristovski são baixa por castigo para a final, mas isso não é um problema, segundo Keizer: "Temos oportunidade de dar minutos a outros jogadores. Não é um problema. Queríamos todos disponíveis, mas não será um problema. Jogam outros..."

Eis os 19 convocados:

Guarda-redes: Renan, Salin e Diogo Sousa

Defesas: Ilori, Coates, Jefferson, André Pinto, Mathieu e Bruno Gaspar

Médios: Bruno Fernandes, Acuña, Wendel, Gudelj e Doumbia

Avançados: Raphinha, Diaby, Bas Dost, Luiz Phellype e Jovane

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.