Kalinic, o croata que foi mandado para casa e falha a final

O jogador de 30 anos terá alegado dores nas costas, mas a justificação não convenceu o treinador Zlatko Dalic

Domingo será a estreia da Croácia na final do campeonato do mundo de futebol e há um jogador ausente que vai ver o jogo de casa: Nikola Kalinic foi convocado, mas mandado para casa após o primeiro jogo na Rússia, por se ter recusado a aquecer para entrar nos últimos minutos do Croácia - Nigéria.

O jogador de 30 anos terá alegado dores nas costas, mas a justificação não convenceu o treinador Zlatko Dalic, que o mandou para casa mais cedo. "Pedi-lhe que entrasse contra a Nigéria. Disse-me que tinha dores nas costas (...). Preciso de jogadores saudáveis", justificou mais tarde o treinador.

Kalinic não comentou a saída e tem estado em silêncio nas redes sociais. O croata do Milan viu o resto do mundial de casa e a sua seleção conseguir o feito inédito de chegar à final, algo que não passou despercebido aos internautas, nem ao humorista Ricardo Araújo Pereira, que escreve como "é raro alguém cometer uma idiotice tão grande que até a história resolve aplicar um castigo", na sua crónica no jornal brasileiro Folha de São Paulo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.