Juntos, os suíços são mais fortes: a máxima não é só para o futebol

David e os amigos confiaram no espírito de entreajuda da seleção suíça para vencer a Suécia. Nem sempre resulta, mas a lógica aplica-se tanto no futebol como entre estes amigos, de férias em Lisboa, não só para ver a bola, mas também para marcar golos entre as raparigas portuguesas

Jogar para ser o centro das atenções é o mesmo que apanhar uma piela sozinho. Não tem piada nenhuma. David Muller e os amigos dele sabem disso por experiência própria. E, como tal, os adeptos da cidade de Zurique que vieram esta tarde ao Terreiro do Paço, em Lisboa, tinham muita fé no estilo de jogo da equipa suíça. "Eles todos sabem que juntos são mais fortes tanto a defender como a atacar", diz o torcedor da seleção suíça.

Não é que cada jogador não tenha a sua identidade. O Granit Xhaka, no meio campo, Stephan Lichtsteiner, na defesa, ou Breel Embolo a atacar fizeram diferença nos momentos decisivos contra a seleção sueca. Não chegou para ganhar, mas a lógica do jogo também se aplica ao caso deles. Juntos divertem-se muito mais, apesar de David ser o "destravado", Luca o "conciliador", Julian o "mal-humorado" e Fabian o mais "tímido" e aquele que nunca tem coragem de se "meter com as miúdas", denunciam os companheiros.

E está assim composto o plantel suíço para passar "umas grandes férias" em Lisboa. A equipa resulta tão bem - conta David - que eles já andam pela cidade há quase uma semana e não houve um único momento de tédio: "Durante o dia estamos na praia, faça chuva ou sol e, de noite, apanhamos bebedeiras e tentamos mergulhar na cultura portuguesa." Mergulhar, neste caso concreto, é encher o peito de atrevimento e desafiar uma "bela rapariga portuguesa" a juntar-se a eles. "Muitas vezes não temos sorte, mas já houve várias alturas que marcámos golo", conta David, entre risos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.