Jota: "Ronaldo quer vencer a Liga das Nações, como todos nós"

Avançado do Wolves sem pressa de se estrear pela seleção.

Diogo Jota não tem pressa em somar o seu primeiro jogo pela seleção portuguesa de futebol, mas assumiu o desejo que continuar a fazer parte das escolhas de Fernando Santos. "É apenas a segunda vez que estou nos convocados. As coisas não podem ser feitas de uma maneira apressada. Não há pressas. Tudo a seu tempo. Se continuar a trabalhar, sei que a minha oportunidade vai chegar", afirmou o avançado do Wolves após mais uma sessão de treino na Cidade do Futebol de preparação para a Liga das Nações.

"A época correu bem, a mim e à minha equipa. Creio que é um processo de evolução. Estou a evoluir, quero evoluir cada vez mais e quero estar aqui mais vezes", referiu o jogador, de 22 anos, explicando ainda que a adaptação à seleção principal "tem sido fácil" .

Jota admitiu que não conhecia Cristiano Ronaldo pessoalmente antes de ser chamado aos trabalhos da equipa:"Não o conhecia pessoalmente. É um jogador determinado, que trabalha todos os dias para ser o melhor. Quer ganhar sempre. Quer vencer a Liga das Nações, como todos nós e vamos jogar para isso."

A primeira semana de trabalho de Portugal será feita em regime aberto, com os jogadores a estarem apenas obrigados a comparecer nos treinos, com a concentração para estágio a estar agendada para domingo.

Portugal, campeão europeu em título, defronta a Suíça nas meias-finais da Liga das Nações, em 05 de junho, no Estádio do Dragão, no Porto, em jogo com início às 19.45. Um dia depois, Inglaterra e a Holanda disputam a outra meia-final, no Estádio D. Afonso Henriques, em Guimarães, também às 19.45.

Os vencedores disputam a final da primeira edição da Liga das Nações, em 9 de junho, no Estádio do Dragão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

adoção

Técnicos e juízes receiam ataques pelas suas decisões

É procurador no Tribunal de Cascais há 25 anos. Escolheu sempre a área de família e menores. Hoje ainda se choca com o facto de ser uma das áreas da sociedade em que não se investe muito, quer em meios quer em estratégia. Por isso, defende que ainda há situações em que o Estado deveria intervir, outras que deveriam mudar. Tudo pelo superior interesse da criança.