Jovane voltou a ser o pronto-socorro de José Peseiro

O jovem avançado de 20 anos marcou aos 88 minutos o golo que permitiu ao Sporting vencer o Feirense, por 1-0

O Sporting teve de sofrer a bom sofrer para levar de vencido o Feirense, por 1-0. Valeu à equipa de José Peseiro o jovem Jovane Cabral, de 20 anos, que se estreou a marcar no seu terceiro jogo na equipa principal dos leões.

O avançado estava no sitio certo aos 88 minutos para empurrar para o fundo da baliza um cruzamento de Ristovski e acabar com a aflição que já se vivia nas bancadas de Alvalade. E bem se pode dizer que Jovane já é uma espécie de pronto-socorro da equipa leonina, pois em Moreira de Cónegos sofreu um penálti que desempatou o jogo, com o V. Setúbal fez a assistência para o golo da vitória e agora foi ele mesmo a resolver.

Com este resultado, os leões igualam o Sp. Braga na liderança da tabela classificativa, com dez pontos, e ficam agora à espera daquilo que vai fazer o Benfica na Madeira com o Nacional e o FC Porto na receção ao Moreirense.

José Peseiro manteve o onze que há uma semana empatou a uma bola na Luz para fazer face a um Feirense que também era um dos líderes à entrada para esta jornada e apenas tinha sofrido um golo. E a verdade é que os leões entraram muito bem na partida, jogando em velocidade e na procura da baliza, beneficiando de uma rápida reação à perda da bola, que obrigava os fogaceiros a falhar as marcações. Era um ai-Jesus que obrigou a emergir Caio Secco, um guarda-redes inspirado que foi um autêntico muro intransponível para os sportinguistas.

Só que as boas indicações leoninas duraram apenas 16 minutos, altura em que o Feirense conquistou um livre frontal à baliza de Salin e Edinho atirou uma bomba que bateu na trave e saiu para fora. E aí o Sporting ficou em sentido. Baixou a velocidade, diminuiu a dinâmica e os nortenhos puderam respirar melhor e colocaram em campo a sua boa organização defensiva que obrigou os jogadores leoninos a rematarem muito de fora da área, para fazerem face às dificuldades em entrar na área contrária.

Edinho a desperdiçar e Secco a segurar

É verdade que o Feirense mantinha-se com dificuldades em sair para o ataque, mas na única vez que conseguiu meter a velocidade num contra-ataque, em cima do intervalo, quase abriu o marcador, valendo ao Sporting o desacerto de Edinho, que rematou ao lado na pequena área, depois de um passe de Fábio Sturgeon. Respiraram fundo os adeptos da casa.

No segundo tempo, o nervosismo foi apoderando-se dos jogadores do Sporting à medida que o tempo ia passando. A intranquilidade aumentava também à medida que o Feirense se foi desinibindo, saindo para o ataque planeado com muita segurança e com perigo, como foi o caso do que aconteceu ao minuto 51, quando uma excelente jogada de Luís Machado voltou a ser desperdiçada por Edinho com um remate frouxo.

Peseiro tentou depois mudar o cariz do jogo, lançando Jovane Cabral para o lugar do defesa-esquerdo Jefferson, cujas funções passaram a ser desempenhadas por Acuña. Os resultados desta substituição não demoraram. Já com o fantasma do empate a pairar, os jogadores do Sporting aceleraram um pouco e, apesar de alguma falta de clarividência, começaram a criar várias oportunidades junto da baliza de Caio Seco, que então voltou a brilhar e uma série de defesas de elevada dificuldade, das quais se destacam um remate de André Pinto, na sequência de um canto, e outro de Battaglia.

Talvez já poucos acreditavam que o Sporting conseguisse derrubar o muro fogaceiro, quando lá apareceu a jogada de entendimento entra Raphinha e Ristovski, concluída pelo herói leonino, após Castaignos, que entretanto entrara para o lugar de Montero, não conseguir desviar.

Era o ponto final de um jogo muito sofrido para os leões, que pela primeira vez esta época não sofreram golos. O Feirense mostrou ser uma equipa de qualidade em Alvalade e, a continuar assim, promete fazer um campeonato bem mais tranquilo do que na época passada.

A Figura: Jovane Cabral

Bastaram 22 minutos em campo para que o jovem avançado leonino se estrear a marcar de leão ao peito e salvar assim o Sporting de um embaraçoso empate em Alvalade diante do Feirense. Peseiro lançou-o para agitar o jogo e o inconformismo do miúdo fez-se notar pouco depois, procurando utilizar a sua velocidade e sobretudo num remate de longe encaixado por Caio Secco. Jovane materializou o triunfo, já depois de ter sido importante em duas jornadas anteriores. E este sábado tirou dos holofotes da fama o guarda-redes Caio Secco, que defendeu tudo aquilo que pode...

FICHA DE JOGO

Estádio José Alvalade, em Lisboa (38 688 espetadores)
Árbitro: Rui Oliveira (Porto)

Sporting: Salin; Ristovski, Coates, André Pinto, Jefferson (Jovane Cabral, 66); Battaglia, Marcos Acuña; Raphinha, Bruno Fernandes, Nani (Petrovic, 90); Fredy Montero (Castaignos, 79)

Feirense: Caio Secco; Edson Farias, Bruno Nascimento, Briseño, Vítor Bruno; Tiago Silva, Cris, Rafael Crivellaro (Alphonse Kodjo, 77); Fábio Sturgeon, Edinho (João Silva, 82), Luís Machado.

Cartão amarelo a Luís Machado (36), Rafael Crivellaro (48), Ristovski (61), Caio Secco (77), Bruno Nascimento (78), Bruno Fernandes (85), Vítor Bruno (86), Nani (86), Jovane Cabral (89) e Eduardo Farias (90+1).

Marcador: 1-0, Jovane, (88).

FILME DO JOGO

Ler mais

Premium

Germano Almeida

Sequelas do Prémio Camões

Aos domingos, lá pelo meio da manhã, gosto de parar na porta da Nim para dois dedos de conversa, que termina sempre na discussão das qualidades das papaias que ela me convence a comprar. A Nim tem um posto de venda no mercado da Praça Estrela onde, durante a semana, comerceia as verduras que o marido vai buscar em Santiago e no Fogo. Como aos domingos o espaço fica fechado, ela alinha os balaios com a sua mercadoria no passeio em frente da casa, e vestida de um longo avental e um rasgado sorriso, senta-se num banquinho e espera pachorrenta pelos eventuais fregueses. Mas tu nunca descansas, pergunto-lhe. Para quê, responde encolhendo os ombros, este trabalho não cansa, estou aqui sentada, vejo passar pessoas, trocamos mantenhas e novidades, e sempre vou vendendo alguma coisa, tenho três filhos no chão para criar e o planeta não está de brincadeira. Num dia de semana entrei no mercado e não a encontrei. Que é feita da Nim, perguntei a uma vendedeira vizinha. A Nim foi ao cabeleireiro, respondeu. O quê, exclamei espantado, que lhe deu para ir ao cabeleireiro, ainda por cima num dia como hoje? Ela tem um casamento amanhã, hoje podes comprar em mim. É que a Nim tomou-me como sua propriedade: Ele é meu homem, grita para as colegas, ele só compra em mim. E para garantir isso, quando não tem papaia, ela mesma sai a procurar junto das outras para mim.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O legado de Joana Marques Vidal

Os últimos meses foram marcados pelo tema da (não) recondução da procuradora-geral da República, desde que a ministra da Justiça avançou há nove meses com a ideia de que a interpretação que fazia do texto constitucional é que se tratava de um longo e único mandato. Além da lamentável extemporaneidade destas declarações, a tantos meses do término do mandato ficou muito claro desde início que a questão subjacente à recondução de Joana Marques Vidal era de natureza política e não de carácter jurídico.

Premium

António Araújo

Ex-votos

No Estio de 1736, em dia que se ignora, saiu em sua mulinha o beneficiado Manuel Antunes, natural de Barbacena. No caminho das Portas da Esquina para a Horta dos Passarinhos havia uma ladeira pedregosa e íngreme, onde se lhe espantou a mula, por razões desconhecidas. Uma e outra vez caiu ao chão o clérigo, ficando muito ferido, e em muita aflição. Naquele aperto, suplicou aos céus, salvou-se. Em cumprimento da promessa feita, mandou reparar a tosca cruz que por lá havia, campos da Torre das Arcas. O lugar rapidamente ganhou fama de milagreiro. Fez-se então a romaria que ainda hoje perdura. E ergueu-se a ermida que tem o nome de Igreja do Senhor Jesus da Piedade de Elvas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Saúde e sustentabilidade democrática 

Penso que não há ninguém que refute que uma das características indissociáveis de toda e qualquer sociedade democrática é a sua capacidade de debater, de uma forma que se quer construtiva e evolutiva, também sobre si mesma e os seus índices de desenvolvimento. Na nossa perspetiva ocidental e europeia, o conceito de democracia parece já enraizado por todos e em todos, ao ponto da quase estagnação. Mas será aconselhável estarmos, enquanto país ou até como membro integrante da união política e económica, tão descansados assim?

Premium

Adriano Moreira

A ambiguidade da política

Além do sentido académico da palavra, designando o pensamento político, "teorias políticas", "filosofia política", "ciência política", tal sentido afasta-se do exercício dos que a praticam, tendo em vista o poder de governar. Dão-se exemplos como o de Lord Butler, que a definiu como "arte do possível", cinicamente como D'Israeli, que a definiu como a arte de governar os cidadãos desiludindo-os, ou, finalmente, e cobrindo intenções menos tranquilizantes, entendendo-a com Hitler, como a arte de mobilizar uma nação para defender a sua existência. Em todo o caso, o mais corrente, entre estadistas responsáveis, é entender a política como a arte de conciliar interesses opostos.