Jovane voltou a ser o pronto-socorro de José Peseiro

O jovem avançado de 20 anos marcou aos 88 minutos o golo que permitiu ao Sporting vencer o Feirense, por 1-0

O Sporting teve de sofrer a bom sofrer para levar de vencido o Feirense, por 1-0. Valeu à equipa de José Peseiro o jovem Jovane Cabral, de 20 anos, que se estreou a marcar no seu terceiro jogo na equipa principal dos leões.

O avançado estava no sitio certo aos 88 minutos para empurrar para o fundo da baliza um cruzamento de Ristovski e acabar com a aflição que já se vivia nas bancadas de Alvalade. E bem se pode dizer que Jovane já é uma espécie de pronto-socorro da equipa leonina, pois em Moreira de Cónegos sofreu um penálti que desempatou o jogo, com o V. Setúbal fez a assistência para o golo da vitória e agora foi ele mesmo a resolver.

Com este resultado, os leões igualam o Sp. Braga na liderança da tabela classificativa, com dez pontos, e ficam agora à espera daquilo que vai fazer o Benfica na Madeira com o Nacional e o FC Porto na receção ao Moreirense.

José Peseiro manteve o onze que há uma semana empatou a uma bola na Luz para fazer face a um Feirense que também era um dos líderes à entrada para esta jornada e apenas tinha sofrido um golo. E a verdade é que os leões entraram muito bem na partida, jogando em velocidade e na procura da baliza, beneficiando de uma rápida reação à perda da bola, que obrigava os fogaceiros a falhar as marcações. Era um ai-Jesus que obrigou a emergir Caio Secco, um guarda-redes inspirado que foi um autêntico muro intransponível para os sportinguistas.

Só que as boas indicações leoninas duraram apenas 16 minutos, altura em que o Feirense conquistou um livre frontal à baliza de Salin e Edinho atirou uma bomba que bateu na trave e saiu para fora. E aí o Sporting ficou em sentido. Baixou a velocidade, diminuiu a dinâmica e os nortenhos puderam respirar melhor e colocaram em campo a sua boa organização defensiva que obrigou os jogadores leoninos a rematarem muito de fora da área, para fazerem face às dificuldades em entrar na área contrária.

Edinho a desperdiçar e Secco a segurar

É verdade que o Feirense mantinha-se com dificuldades em sair para o ataque, mas na única vez que conseguiu meter a velocidade num contra-ataque, em cima do intervalo, quase abriu o marcador, valendo ao Sporting o desacerto de Edinho, que rematou ao lado na pequena área, depois de um passe de Fábio Sturgeon. Respiraram fundo os adeptos da casa.

No segundo tempo, o nervosismo foi apoderando-se dos jogadores do Sporting à medida que o tempo ia passando. A intranquilidade aumentava também à medida que o Feirense se foi desinibindo, saindo para o ataque planeado com muita segurança e com perigo, como foi o caso do que aconteceu ao minuto 51, quando uma excelente jogada de Luís Machado voltou a ser desperdiçada por Edinho com um remate frouxo.

Peseiro tentou depois mudar o cariz do jogo, lançando Jovane Cabral para o lugar do defesa-esquerdo Jefferson, cujas funções passaram a ser desempenhadas por Acuña. Os resultados desta substituição não demoraram. Já com o fantasma do empate a pairar, os jogadores do Sporting aceleraram um pouco e, apesar de alguma falta de clarividência, começaram a criar várias oportunidades junto da baliza de Caio Seco, que então voltou a brilhar e uma série de defesas de elevada dificuldade, das quais se destacam um remate de André Pinto, na sequência de um canto, e outro de Battaglia.

Talvez já poucos acreditavam que o Sporting conseguisse derrubar o muro fogaceiro, quando lá apareceu a jogada de entendimento entra Raphinha e Ristovski, concluída pelo herói leonino, após Castaignos, que entretanto entrara para o lugar de Montero, não conseguir desviar.

Era o ponto final de um jogo muito sofrido para os leões, que pela primeira vez esta época não sofreram golos. O Feirense mostrou ser uma equipa de qualidade em Alvalade e, a continuar assim, promete fazer um campeonato bem mais tranquilo do que na época passada.

A Figura: Jovane Cabral

Bastaram 22 minutos em campo para que o jovem avançado leonino se estrear a marcar de leão ao peito e salvar assim o Sporting de um embaraçoso empate em Alvalade diante do Feirense. Peseiro lançou-o para agitar o jogo e o inconformismo do miúdo fez-se notar pouco depois, procurando utilizar a sua velocidade e sobretudo num remate de longe encaixado por Caio Secco. Jovane materializou o triunfo, já depois de ter sido importante em duas jornadas anteriores. E este sábado tirou dos holofotes da fama o guarda-redes Caio Secco, que defendeu tudo aquilo que pode...

FICHA DE JOGO

Estádio José Alvalade, em Lisboa (38 688 espetadores)
Árbitro: Rui Oliveira (Porto)

Sporting: Salin; Ristovski, Coates, André Pinto, Jefferson (Jovane Cabral, 66); Battaglia, Marcos Acuña; Raphinha, Bruno Fernandes, Nani (Petrovic, 90); Fredy Montero (Castaignos, 79)

Feirense: Caio Secco; Edson Farias, Bruno Nascimento, Briseño, Vítor Bruno; Tiago Silva, Cris, Rafael Crivellaro (Alphonse Kodjo, 77); Fábio Sturgeon, Edinho (João Silva, 82), Luís Machado.

Cartão amarelo a Luís Machado (36), Rafael Crivellaro (48), Ristovski (61), Caio Secco (77), Bruno Nascimento (78), Bruno Fernandes (85), Vítor Bruno (86), Nani (86), Jovane Cabral (89) e Eduardo Farias (90+1).

Marcador: 1-0, Jovane, (88).

FILME DO JOGO

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.