José Peseiro garante união em campo: "Só há um Sporting"

Técnico diz que ações de Bruno de Carvalho são "situações anormais" que não podem fazer desviar o foco da equipa

José Peseiro recusou comentar os incidentes de um dia atribulado em Alvalade e os possíveis reflexos na equipa de futebol, que este sábado se estreia em Alvalade para o campeonato, na receção ao Vitória de Setúbal, na segunda jornada.

"Vamos jogar com o V. Setúbal e é nisso que estamos focados, não vamos desviar o nosso foco para qualquer outra situação anormal - e é de algo anormal que se trata", referiu, à terceira vez que foi confrontado com a ação de Bruno de Carvalho, esta sexta-feira, em conferência de imprensa. "O jogo passa-se ali dentro [no relvado de Alvalade], é ali que vamos jogar, é sobre isso que vamos falar. Desviar a conversa para outros assuntos não faz sentido nenhum", acrescentou.

O treiandor leonino não valoriza o cenário de um clube que aparenta estar profundamente dividido e frisa que espera o apoio dos sócios nas bancadas que quer ver cheias: "Só há um Sporting amanhã e vai estar unido em campo."

Caso Matheus

O técnico abordou ainda o caso Matheus Pereira, colocado à parte desde o incidente que protagonizou durante o jogo da primeira jornada, quando utilizou a rede social Twitter para desabafar o descontentamento por ter ficado de fora dos 18 eleitos para o jogo com o Moreirense. "Sobre o Matheus, o que tinha a falar já falei. É obrigação do treinador do Sporting trabalhar o que devem ser as dimensões desportivas e sociais dos jogadores, coletiva e individualmente. É isso que fazemos com todos os nossos jogadores."

Peseiro garantiu ainda a titularide de Salin na baliza, frente ao V. Setúbal. e prometeu continuar a patrocinar a entrada de jovens jogadores na equipa, como fez com Jovane Cabral em Moreira de Cónegos e na anterior passagem por Alvalade. "Podem ser aposta, com certeza, tal como na primeira passagem apostei em jovens. Mais do que o mérito do treinador tem a ver com a qualidade dos jogadores", comentou, adiantando que nomes como "o Thierry [Correia] ou o Elves [Baldé]" poderão ter espaço em breve. "A curto prazo terão de ser soluções para nós".

Ler mais

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.