José Peseiro confirma que Bas Dost não vai a jogo no dérbi da Luz

"Temos outras soluções", desvaloriza o técnico leonino sobre a indisponibilidade do avançado holandês

O treinador do Sporting faz neste momento a antevisão do dérbi com o Benfica e já anunciou a ausência do goleador holandês, que esta semana viu confirmado um problema muscular na coxa. "Não vai estar presente, mas temos outras soluções. Confiamos nos jogadores que estão disponíveis e a equipa também", afirmou José Peseiro.

Numa conferência de imprensa rápida (menos de dez minutos), o treinador leonino revelou que "já desde segunda ou terça-feira que sabia que Bas Dost não vai poder jogar", pelo que, garantiu, "a equipa está preparada" para jogar sem o holandês, que saiu lesionado ao intervalo do último Sporting-V. Setúbal.

"É claro que é sempre importante termos os melhores jogadores disponíveis, mas quando não temos não vale a pena estar a lamentar. Temos soluções em quantidade e em qualidade para demonstrar potencial e fazer um bom jogo na Luz", completou.

Peseiro revelou também que os recentes reforços Diaby e Gudelj não vão ainda ser convocados para o dérbi, pois "nenhum deles tem tido competição no último mês".

"Mais do que três pontos"

De resto, sobre o dérbi, José Peseiro adiantou que o Sporting vai apresentar-se "ilusionado, com ambição, muita vontade de fazer um grande jogo e de vencer na Luz". O técnico começou por realçar "o privilégio e a responsabilidade" que um dérbi destes representa, salientando que "são jogos que, valendo três pontos, valem muito mais do que os três pontos, pela importância do jogo e pela rivalidade histórica". "É o grande dérbi do nosso país e dá alegria e satisfação aos adeptos".

No entanto, o técnico também lembrou que "nos últimos cinco jogos o Sporting não conseguiu ganhar ao Benfica". "Neste período conseguiu três empates e duas derrotas. Há dois anos e tal que não consegue vencer", frisou.

O treinador do Sporting desvalorizou ainda o facto de o Benfica poder ter mais rodagem ou desgaste neste início de época, por estar envolvido nas eliminatórias da Liga dos Campeões. "Pode-se falar disso tudo, mas a única coisa que está na nossa mente é que o jogo é amanhã e tem 90 minutos. A partir das 7 da tarde toda a gente vai esquecer quem tem mais jogos ou menos jogos, se benfica joga na terça-feira ou nao. Esse são fatores que influenciam menos do que vocês podem pensar".

"O futebol é o momento. Temos de estar preparados, e estamos. Temos de estar focados, e estamos. Temos de fazer um grande jogo e estamos a prepararmo-nos para isso. Para vencer uma equipa forte, num estádio difícil", resumiu, sem querer abordar questões específicas do adversário, como a possível ausência de Jonas ou o grande momento de Pizzi.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.