José Peseiro: "Aqui estamos com a mesma coragem e a mesma determinação"

O treinador regressa a Alvalade, 14 anos depois.

O técnico, foi apresentado, este domingo, em Alvalade. José Peseiro lembrou a sua anterior passagem a Alvalade e diz manter a ambição que tinha quando foi apresentado há 14 anos.

"14 anos depois tenho a mesma ilusão, a mesma responsabilidade de ser treinador deste grande clube. Aqui estamos com a mesma coragem e a mesma motivação", começou por dizer, em conferência de imprensa

O treinador não nega que, tendo em conta o cenário que se vive em Alvalade, o Sporting parte um pouco atrás relativamente aos seus concorrentes diretos: "Partimos um pouco atrás, sabemos disso. Agora, o importante é analisar, organizar, avaliar para retomar o equilíbrio de uma equipa de futebol que é determinante para este clube"

O técnico acredita poder fazer regressar alguns jogadores que rescindiram contrato, e assume que criará, com tempo, uma equipa "candidata a ganhar troféus". "Não vamos fazer nada à pressa", atirou.

Sobre o facto de o Sporting vir a ter eleições em breve, José Peseiro diz que durante a negociação do seu contrato isso foi tido em conta: "O acordo que temos é de um ano e com mais um de opção. Não fazia sentido que quem vem, tivesse de ter de carregar um contrato de dois ou três anos.

O treinador diz que "mais do pensarmos em eleições, o importante é pensar no presente do Sporting" porque, nesta altura, "o tempo escasseia".

José Peseiro assina por uma época e com outra da opção, e chega para o lugar de Sinisa Mihajlovic, que foi escolhido pelo presidente destituído, Bruno de Carvalho, mas não se chegou a estrear.

Eis as ideias mais fortes da conferência de imprensa de José Peseiro:

"Há 14 anos entrei nesta sala com muita ilusão, com muita motivação e com muita responsabilidade para defender as cores deste clube. Era muito mais jovem e declarei aqui, com muita coragem, e perante recursos manifestamente inferiores aos nossos concorrentes diretos, que queríamos ganhar a liga e chegar à final da Liga Europa porque se disputava no nosso estádio. Por pouco não conseguimos concretizar isso."

"O Sporting não vai acabar se não for possível recuperar alguns dos jogadores que rescindiram, mas a primeira prioridade é a reversão desses processos de rescisão. Com celeridade e sem precipitações, vamos analisar e escolher bem e com inteligência para que no presente quadro nada impeça que o Sporting construa uma grande equipa e lute pelo título."

"O tempo escasseia, mas não vamos fazer nada à pressa. Temos jogadores com muito valor neste plantel e temos de perceber quem pode sair e quais os que podem regressar. Estamos atrasados, mas não desesperados. Vamos fazer as coisas com qualidade, o futebol do clube não pode parar e confio que escolheremos o caminho certo."

"Não tenho medo deste desafio. Sinto a responsabilidade e a exigência, mas também tenho a ilusão e a ambição de lutar por títulos no Sporting. Continuo a querer uma equipa a jogar bem, mas ligando isso aos resultados, sabendo que jogando melhor é mais fácil ganhar."

"Não direi que partimos muito atrás, mas é um facto partimos atrás. Todavia, não temos receio disso. Queremos estar mais perto quando começar a época. Não nos lamentamos com isso, não é hora de lamentar, é hora de trabalhar. Não sabemos que plantel temos, mas isso não nos pode limitar. Com a equipa técnica que temos, com todos as pessoas dos vários departamentos a ajudar-nos, acreditamos que vamos reduzir essa diferença. Daqui a dois meses poderemos ser mais objetivos sobre a realidade do Sporting, para perceber as aquisições, as saídas, o que pode mexer com o plantel. Mas essas dúvidas não vão perturbar o nosso trabalho, estamos focados no que é essencial."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Pode a clubite tramar um hacker?

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.