José Mourinho multa Martial em 200 mil euros

O avançado francês falhou o regresso à digressão aos Estados Unidos depois de ter ido a Paris para assistir ao nascimento do filho

Sem perdão. O avançado francês Anthony Martial vai ter de pagar 200 mil euros de multa, segundo o jornal britânico Mirror, por não ter regressado à digressão do Manchester United aos Estados Unidos, depois de se ter deslocado a Paris para assistir ao nascimento do seu segundo filho.

O jogador deixou a comitiva dos red devils após o jogo com o AC Milan, no dia 26 de julho, e não regressou, deixando Mourinho zangado com a situação, pois Martial falhou os dois outros jogos do Manchester United na International Champions Cup, com o Liverpool e, na madrugada desta quarta-feira, com o Real Madrid.

Os responsáveis do United estão mesmo convencidos que Anthony Martial não se treinou durante o tempo que esteve em Paris, estando até desconfiados que esta ausência poderá estar relacionada com o desejo do jogador deixar Old Trafford. Aliás, o próprio Mourinho estará na disposição de deixar sair o avançado por considerar que não tem a mentalidade exigida para representar o clube.

Anthony Martial poderá ser negociado por uma verba próxima dos 80 milhões de euros, verba que poderá servir para garantir um dos jogadores pretendidos por José Mourinho, o croata Ivan Perisic, do Inter Milão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.