José Mourinho: "Já tive de dizer não a três ou quatro propostas"

O treinador português garante que sabe "exatamente" aquilo que pretende quanto ao próximo clube que irá treinar e garante estar a aproveitar a paragem desde a saída do Manchester United para se "preparar".

José Mourinho deu esta terça-feira uma entrevista ao canal de televisão francês beIN SPORTS na qual garantiu que já recusou "três ou quatro propostas" para voltar a trabalhar, desde que a 18 de dezembro deixou o comando técnico do Manchester United.

"Sei exatamente o que não quero, e essa é a razão pela qual já tive que dizer não a três ou quatro propostas. Sei o que quero, não em termos de um clube específico, mas sim em relação à natureza do trabalho. Sei o que quero e vou esperar por isso", assumiu o treinador português de 56 anos.

Nesse sentido, deixou a certeza de que neste momento "não importa" para onde irá, sendo certo que irá "para um lugar onde possa ganhar". "Passaram dois meses e meio desde que estou sem treinar e já me estou a preparar para o próximo desafio. Não estou de férias nem aborrecido, nem como se não tivesse nada para fazer. Estou a preparar-me", avisou.

"Quando se trabalha de forma diária no futebol, com seis conferências de imprensa por semana, três jogos, sessões de vídeo, análises, problemas diários... Não temos tempo para cuidar de nós mesmos", admitiu, acrescentando que estes meses servem para isso mesmo.

"Voltarei melhor preparado. O lugar de treinador é muito especial. Gosto do trabalho diário, competir em várias provas, disputar jogos. Quero treinar um clube e quero encontrá-lo já este verão, em junho, para começar a pré-temporada", sublinhou.

Questionado sobre a possibilidade de um dia assumir o cargo de selecionador nacional, Mourinho não fechou a porta, apesar não encarar este cenário para já: "O trabalho na seleção nacional é um trabalho muito específico. Gosto de futebol diário, de trabalho diário, de muitas competições, de jogos. Gostaria de ficar ao nível do futebol de clubes, mas quem sabe?"

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?