José Mourinho humilhado em casa pelo Tottenham

O Manchester United foi derrotado por 3-0. E vão duas derrotas consecutivas para o treinador português que no final ficou muito tempo a bater palmas ao público de Old Trafford. Foi o pior desaire caseiro na carreira do setubalense

O Manchester United foi humilhado esta segunda-feira, em Old Trafford, pelo Tottenham, em jogo da 3ª jornada da Premier League. Esta foi a segunda derrota consecutiva para a equipa de José Mourinho, depois de ter perdido em Brighton, por 3-2. E não foi uma derrota qualquer, foi a pior da sua longa carreira na condição de visitado.

Após uma primeira parte em que os red devils criaram as melhores oportunidades para marcar, os Spurs acabaram por chegar ao triunfo no segundo tempo, primeiro com um golo de Harry Kane e depois com um bis do brasileiro Lucas Moura, que acabou por ser a grande figura desta partida.

A crise no United agrava-se com esta derrota pesada, isto numa altura em que são várias as notícias que davam conta do mau estar entre José Mourinho e a direção do clube, mais concretamente o vice-presidente Ed Woodward.

Nas últimas semanas, foram várias as notícias que davam conta do mau estar entre os jogadores da equipa, tendo mesmo surgido notícias de que Zinedine Zidane poderia ser o próximo treinador do Manchester United, algo que foi negado por fonte do clube.

Com este resultado, o Tottenham junta-se ao grupo dos líderes da Premier League, do qual fazem parte Liverpool, Chelsea e Watford, todos com três vitórias em outros tantos jogos. O Manchester United soma apenas três pontos fruto do triunfo na primeira jornada, em casa, diante do Leicester, por 2-1. Consulte a classificação aqui.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.