José Mourinho humilhado em casa pelo Tottenham

O Manchester United foi derrotado por 3-0. E vão duas derrotas consecutivas para o treinador português que no final ficou muito tempo a bater palmas ao público de Old Trafford. Foi o pior desaire caseiro na carreira do setubalense

O Manchester United foi humilhado esta segunda-feira, em Old Trafford, pelo Tottenham, em jogo da 3ª jornada da Premier League. Esta foi a segunda derrota consecutiva para a equipa de José Mourinho, depois de ter perdido em Brighton, por 3-2. E não foi uma derrota qualquer, foi a pior da sua longa carreira na condição de visitado.

Após uma primeira parte em que os red devils criaram as melhores oportunidades para marcar, os Spurs acabaram por chegar ao triunfo no segundo tempo, primeiro com um golo de Harry Kane e depois com um bis do brasileiro Lucas Moura, que acabou por ser a grande figura desta partida.

A crise no United agrava-se com esta derrota pesada, isto numa altura em que são várias as notícias que davam conta do mau estar entre José Mourinho e a direção do clube, mais concretamente o vice-presidente Ed Woodward.

Nas últimas semanas, foram várias as notícias que davam conta do mau estar entre os jogadores da equipa, tendo mesmo surgido notícias de que Zinedine Zidane poderia ser o próximo treinador do Manchester United, algo que foi negado por fonte do clube.

Com este resultado, o Tottenham junta-se ao grupo dos líderes da Premier League, do qual fazem parte Liverpool, Chelsea e Watford, todos com três vitórias em outros tantos jogos. O Manchester United soma apenas três pontos fruto do triunfo na primeira jornada, em casa, diante do Leicester, por 2-1. Consulte a classificação aqui.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.