José Couceiro oficializado como diretor técnico nacional da FPF

O treinador assume um cargo que esteve por ocupar nos últimos dois anos.

A Federação Portuguesa de Futebol anunciou, esta quinta-feira, a escolha de José Couceiro para seu diretor técnico nacional.

Para o presidente da FPF, Fernando Gomes, o treinador do Vitória de Setúbal na última época "é a escolha certa para o lugar certo", relembrando que Couceiro já integrara (como suplente) a lista do atual presidente da FPF nas eleições federativas de 2016.

"A FPF tem uma política de recrutamento baseada na excelência, qualquer que seja a área de ação onde queremos intervir. O José Couceiro, pela experiência que nos pode trazer como antigo jogador, dirigente desportivo e treinador de topo, é a escolha certa para o lugar certo", disse Fernando Gomes ao site da federação.

Couceiro terá a seu cargo a supervisão das seleções nacionais da formação (até sub-20) e ainda a coordenação dos responsáveis técnicos de cada associação distrital de futebol, "procurando uniformizar padrões e objetivos, em mais uma tarefa de médio prazo".

"É com grande honra e sentido de responsabilidade que aceitei o convite (...) para assumir estas funções, fundamentais para o desenvolvimento do futebol português. A FPF é uma organização de excelência cujo trabalho recente é respeitado tanto a nível nacional como internacional. Eu, pela minha parte, vou procurar contribuir para dignificar quer as funções que agora assumo quer o futebol português", disse Couceiro ao site da FPF.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.