Jonas marca durante o festival de faltas e o Benfica soma a terceira vitória pós-crise

Os encarnados não vacilaram e foram ao Estádio do Bonfim vencer o V. Setúbal por 1-0. A equipa de Rui Vitória mantém a distância para o líder e somou o terceiro jogo sem sofrer golos

O Benfica garantiu este sábado três preciosos pontos na visita ao Estádio do Bonfim. A equipa de Rui Vitória entrava em campo sob pressão depois de FC Porto e Sp. Braga terem vencido os seus jogos, mas acabou por não vacilar, tendo vencido por 1-0 graças a um golo de Jonas aos 17 minutos. Aliás, o brasileiro marca há quatro jogos consecutivos na Liga, revelando-se decisivo nesta fase de retoma após a crise gerada após a goleada em Munique.

Outra boa notícia para os adeptos benfiquistas prende-se com o facto de pela terceira partida seguida a equipa não sofrer golos (o melhor registo da época), o que não quer no entanto dizer que se registem melhorias significativas na organização defensiva dos encarnados.

Um festival de faltas

Uma falta a cada dois minutos. Assim fica definida a primeira parte do jogo no Bonfim, na qual Carlos Xistra apitou 23 vezes para mandar marcar um livre. Jogar assim é quase impossível, como é fácil de ver. Culpados? As duas equipas, pois claro, pois os jogadores estavam mais interessados em situações de conflito do que em jogar futebol; mas sobretudo o árbitro que se revelou incapaz de por um ponto final àquele festival, tendo contribuído ainda mais para o festival do apito, sancionando quase todas as quedas de jogadores.

As estatísticas ao intervalo também não mentem naquilo que diz respeito à produção de jogo. Houve mais Benfica, mesmo sem deslumbrar, muito longe disso. No entanto, a equipa de Rui Vitória foi a única a tentar construir jogadas com princípio, meio e fim, sendo que na primeira delas resultou um grande golo de Jonas, a concluir uma bela jogada na esquerda com cruzamento de Gedson; na outra Zivkovic rematou ao poste na sequência de um lance de envolvimento pela direita.

Do V. Setúbal assistiu-se apenas a alguns ensaios de contra-ataque que, ainda assim, mostraram algumas fragilidades defensivas do Benfica, que se desequilibrou várias vezes, sendo que numa delas foi Zivkovic e Jonas a impedirem o golo do empate a Hildeberto Pereira. A vantagem encarnada ao intervalo era justa e o desejo de quem gosta de ver futebol era que os jogadores e o árbitro serenassem durante o intervalo, pois uma segunda parte com tantas faltas tornaria o espetáculo um suplício...

Felizmente assim foi. Com os ânimos serenados, os jogadores preocuparam-se em jogar, apesar do constante desacerto de Carlos Xistra, com muitos erros de avaliação de faltas e até de lançamentos laterais.

Rafa Silva não "mata" o jogo

Lito Vidigal procurou dar mais critério no último passe à sua equipa para o segundo tempo, ao tirar Hildeberto Pereira para colocar em campo Rúben Micael. O resultado não foi o esperado, pois os sadinos perderam algum fulgor no ataque, o que permitiu ao Benfica controlar melhor o jogo, começando desde bem cedo a construir algumas jogadas perigosas em ataque planeado. A primeira delas, Rafa Silva recebeu um passe de Jonas com o peito, mas o chapéu a Cristiano saiu muito largo, pouco depois outra vez Rafa na cara do guarda-redes, após mais um passe de Jonas, contudo Cristiano fez uma grande defesa negando a tranquilidade aos encarnados.

A partir desse momento, o V. Setúbal acreditou que era possível tirar algo mais do jogo, embora de forma pouco esclarecida foram rondando a baliza do Benfica, que recuou demasiado as linhas e revelou um dos grandes pecados desta época: a incapacidade em conservar a posse de bola para gerir a vantagem no marcador.

Os sadinos foram conquistando alguns livre laterais, os nervos foram apoderando-se dos jogadores benfiquistas, sobretudo depois da entrada de Zequinha, que causou maior instabilidade no adversário e em cima dos 90 minutos, Jhonder Cadiz apareceu sozinho na área a cabecear para uma defesa de Vlachodimos, que assim garantiu a terceira vitória consecutiva aos encarnados, depois da goleada em Munique e da crise que quase afastou Rui Vitória do comando técnico.

A figura - Jonas

Um golo que valeu uma vitória obtido com um remate à ponta-de-lança que concluiu uma das melhores jogadas da partida. Mas a ação do número 10 do Benfica não merece destaque apenas pelo golo, pois somou sucessivos pormenores de classe, duas das quais assistências fantásticas Silva (uma delas com o peito) para Rafa Silva desperdiçar. A retoma do Benfica muito se deve à subida de forma do brasileiro que nos últimos oito jogos marcou seis golos.

FICHA DO JOGO

Estádio do Bonfim, em Setúbal
Árbitro: Carlos Xistra (Castelo Branco)

V. Setúbal - Cristiano; Mano, Dankler Pedreira, Vasco Fernandes, Nuno Pinto (Zequinha, 77'); José Semedo (André Pedrosa, 66'), Mikel Agu; Éber Bessa, Hildeberto Pereira (Rúben Micael, 46'), Frédéric Mendy; Johnder Cadiz
Treinador: Lito Vidigal

Benfica - Vlachodimos; André Almeida, Ruben Dias, Jardel, Grimaldo; Pizzi (Gabriel, 73'), Fejsa, Gedson Fernandes; Zivkovic (Alfa Semedo, 90'+3), Jonas (Seferovic, 80'), Rafa Silva.
Treinador: Rui Vitória

Cartão amarelo a Cristiano (12'), Pizzi (16'), André Almeida (41'), Jonas (44'), Mano (44'), Nuno Pinto (73'), Gedson Fernandes (81')

Golo: 0-1, Jonas (17')

VEJA OS PRINCIPAIS LANCES DA PARTIDA

FILME DO JOGO

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.