Jogos Olímpicos de Tóquio2020 com bilhetes entre os 15 e os 3.000 euros

A organização dos Jogos Olímpicos de Tóquio2020 anunciou esta sexta-feira que o preço dos bilhetes para o evento oscilará entre os 15 e os cerca de 3.000 euros, valores similares aos praticados na competição de Londres2012

Em comunicado de imprensa, a organização revelou que o preço de um lugar para a cerimónia de abertura das provas, que se realiza em 24 de julho de 2020, se situará entre cerca de 91 e 2.292 euros, e que os bilhetes mais baratos para as provas individuais serão de 19 euros.

O atletismo, uma das modalidades 'rainha' dos Jogos Olímpicos, terá os bilhetes mais caros, com os mais baratos a situarem-se na ordem dos 23 euros, e os mais dispendiosos chegam aos 990 euros.

Nos últimos Jogos Olímpicos, realizados no Rio de Janeiro, no Brasil, em 2016, o preço dos bilhetes da cerimónia de abertura foi de 1.600 euros, enquanto nos Jogos de 2012, em Londres, custaram cerca de 2.500 euros.

Os bilhetes estarão à venda no Japão a partir do início de 2019, ainda sem dia anunciado, e o momento do início da oferta para o exterior ainda não é conhecido, sendo previsível que varie nas diferentes regiões.

Segundo a imprensa japonesa, a organização da competição espera vender cerca de oito milhões de bilhetes para os Jogos Olímpicos de 2020, que se realizam de 24 de julho a 09 de agosto, em Tóquio.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.