Jogadores do Manchester United preocupados com mau humor de Mourinho

Conflitos durante a digressão pelos Estados Unidos causam alarme no balneário, que já sentirá a ausência do adjunto Rui Faria

Os jogadores do Manchester United estão preocupados com o comportamento do treinador José Mourinho, que tem criticado os seus jogadores nos primeiros jogos de pré-temporada, na digressão pelos Estados Unidos, onde tem participado na International Champions Cup, sobretudo na sequência da segunda parte do jogo com o Liverpool, no qual a equipa sofreu três golos, acabando por perder por 4-1 com o rival.

Segundo a imprensa inglesa, os futebolistas estão cada vez mais alarmados com um alegado comportamento errático do técnico português, algo que está inclusive a afetar os jogadores que sempre estiveram ao lado de Mourinho. A preocupação dos jogadores é consequência dos vários problemas que têm surgido durante a pré-temporada, que têm deteriorado o ambiente como nunca acontecera nos dois anos anteriores de Mourinho em Old Trafford.

Fontes citadas pelo jornal The Telegraph, dizem que os jogadores temem que as mudanças de humor e as críticas de Mourinho sejam agora mais frequentes devido à saída do saída do adjunto Rui Faria, que seria o ponto de equilíbrio de técnico português junto do plantel.

Refira-se que um dos maiores focos de conflito deste início de época no Manchester United é entre Mourinho e o vice-presidente Ed Woodward, por causa do planeamento da digressão americana, mas sobretudo devido à ausência de reforços. Isto porque o técnico entregou uma lista com cinco nomes para serem contratados e já veio dizer publicamente que ficaria contente se viesse um deles.

Woodward já fez saber que só chegarão novos jogadores a Old Trafford depois de consumada alguma venda.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.