Jogadores croatas

Sime Vrsaljko: "Deixámos o coração em campo e não temos vergonha. Espero que todos os que amam a Croácia tenham sentido que demos tudo o que tínhamos para dar. Infelizmente perdemos, mas o futebol é assim. Estamos satisfeitos. Acho que fizemos algo que será recordado para sempre no futebol croata e acho que podemos estar orgulhosos do que fizemos neste Mundial."

"Recebemos muitas felicitações de pessoas que estão muito familiarizados com o futebol, o que é bom. Estou muito orgulhoso dos jogadores. É verdade que jogámos três jogos de 120 minutos (oitavos de final, quartos e meias-finais), o que, no total, é mais um jogo do que a França. Estávamos mais cansados do que eles, mas ninguém pode dizer que a equipa não deu tudo. Os jogadores foram eles próprios na final. Ficou demonstrado que o que conta no futebol não é dinheiro. O que conta no Mundial é a união e desenvolver um jogo que faça as pessoas sonharem", elogiou Davor Suker, sem querer falar do VAR e da arbitragem: "A melhor equipa venceu esta noite."

O presidente da Federação croata, que fez parte da melhor geração do futebol do país dos Balcãs, e enalteceu Modric: "Fez uma prova extraordinária, é um grande líder."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.