Jogadores croatas

Sime Vrsaljko: "Deixámos o coração em campo e não temos vergonha. Espero que todos os que amam a Croácia tenham sentido que demos tudo o que tínhamos para dar. Infelizmente perdemos, mas o futebol é assim. Estamos satisfeitos. Acho que fizemos algo que será recordado para sempre no futebol croata e acho que podemos estar orgulhosos do que fizemos neste Mundial."

"Recebemos muitas felicitações de pessoas que estão muito familiarizados com o futebol, o que é bom. Estou muito orgulhoso dos jogadores. É verdade que jogámos três jogos de 120 minutos (oitavos de final, quartos e meias-finais), o que, no total, é mais um jogo do que a França. Estávamos mais cansados do que eles, mas ninguém pode dizer que a equipa não deu tudo. Os jogadores foram eles próprios na final. Ficou demonstrado que o que conta no futebol não é dinheiro. O que conta no Mundial é a união e desenvolver um jogo que faça as pessoas sonharem", elogiou Davor Suker, sem querer falar do VAR e da arbitragem: "A melhor equipa venceu esta noite."

O presidente da Federação croata, que fez parte da melhor geração do futebol do país dos Balcãs, e enalteceu Modric: "Fez uma prova extraordinária, é um grande líder."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...