Jogador mais caro de sempre do FC Porto prestes a reforçar Rayo Vallecano

Médio Giannelli Imbula já está em Madrid para assinar pelo clube da I liga espanhola. Custou 20 milhões de euros aos dragões no verão de 2015

Giannelli Imbula causou sensação no verão de 2015 quando o FC Porto fez dele a contratação mais cara de sempre do clube, pagando 20 milhões de euros ao Marselha - entretanto, esse recorde foi igualado por Óliver Torres, oriundo do Atlético Madrid a título definitivo no verão passado.

Se o médio francês fez capas de jornais aquando da sua contratação, foi incapaz de justificar o mesmo protagonismo pelo seu desempenho com a camisola azul e branca, tendo sido transferido para os ingleses do Stoke City em janeiro de 2016 por 25 M.

Contudo, também não pegou em Inglaterra, tendo passado a temporada transata emprestado ao Toulouse. Agora, prepara-se para assinar pelo modesto Rayo Vallecano, da I liga espanhola.

Segundo o As, o jogador de 25 anos, que também era pretendido por Levante e Getafe, já aterrou em Madrid com o intuito de se tornar o 11.º reforço da equipa orientada por Míchel, depois de Kakuta, Advíncula, Tito, Medrán, Amat, Pozo, Álvaro García, José León, Velázquez e Raúl de Tomás.

Nas redes sociais, Imbula publicou uma imagem enigmática, com vários relógios e a mensagem "tic tac".

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."