Futebolista Daniel da Mota detido preventivamente

Daniel da Mota, lusodescendente que joga na seleção do Luxemburgo, é suspeito de se ter aproveitado da debilidade de uma idosa, de quem terá recebido quantias avultadas de dinheiro, através de transferências bancárias, durante os últimos três anos.

Daniel da Mota, jogador lusodescendente que integra a seleção nacional luxemburguesa, está em prisão preventiva, por suspeitas de exploração fraudulenta de pessoa em situação de vulnerabilidade (abuso de fraqueza), segundo a procuradoria do Luxemburgo. A informação foi avançada pelo jornal luxemburguês Tageblatt e confirmada à Lusa pela Procuradoria do Luxemburgo.

"Ele foi ouvido pelo juiz de instrução e constituído arguido no dia 16 de janeiro", tendo o juiz determinado a prisão preventiva nesse mesmo dia, disse à Lusa o porta-voz da Procuradoria, Henri Eippers.

O porta-voz recusou no entanto avançar as razões para a detenção preventiva, apontando apenas que se aplicam os motivos de ordem geral, que no Luxemburgo incluem perigo de fuga ou de perturbação do inquérito.

Segundo a Rádio Latina, emissora em português no Luxemburgo, que cita o advogado do jogador, Daniel da Mota é suspeito de se ter "aproveitado da debilidade de uma idosa", de quem terá recebido "quantias avultadas de dinheiro, através de transferências bancárias, durante os últimos três anos".

De acordo com o advogado do jogador, citado pela Rádio Latina, o caso terá sido denunciado pelo banco onde o jogador tem conta.

O Código Penal luxemburguês pune o crime de "abuso de fraqueza", previsto no artigo 493, com "pena de prisão de três meses a três anos e multa de 251 a 50.000 euros".

O crime é definido como "o abuso fraudulento do estado de ignorância ou da situação de fraqueza, quer de um menor, quer de uma pessoa cuja particular vulnerabilidade, por causa da sua idade, doença ou enfermidade, deficiência física ou psíquica, é aparente ou conhecida do seu autor", de forma "a conduzir" a vítima "a um ato gravemente prejudicial" para si mesma.

O futebolista, de 33 anos, foi candidato em outubro de 2018 às eleições legislativas pelo partido luxemburguês ADR, conhecido pelas posições contra os direitos dos estrangeiros.

Em 2012, o jogador nascido em Ettelbruck, filho de imigrantes de Celorico de Basto, marcou um golo contra a seleção nacional portuguesa que foi aplaudido pela maioria do público, incluindo os muitos imigrantes portugueses que assistiam ao jogo do Grão-Ducado contra a equipa liderada por Cristiano Ronaldo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.