João Sousa segue para a 2.ª ronda do Open do Estados Unidos

Português bateu com facilidade o espanhol Marcel Granollers em três sets - 6-2, 6-2 e 6-3 - em pouco menos de duas horas. Põe um ponto final numa série de sete derrotas consecutivas.

Há dois meses que João Sousa não sabia o que era vencer um jogo no circuito de ténis profissional. Perdeu à primeira em Antalya, em Wimbledon, em Umag, em Gstaad, em Toronto, em Cincinatti e em Winston-Salem. Mas nesta terça-feira o português número 68 do mundo resolveu com facilidade o encontro da primeira ronda diante do espanhol Marcel Granollers, 107 da hierarquia. Em apenas três sets (6-2, 6-2 e 6-3) Sousa conseguiu obteve a qualificação.

O vimaranense atinge a segunda ronda do Open dos Estados Unidos pela quarta vez na carreira, tendo em 2013 e 2016 chegado mesmo ao terceiro encontro.

Na segunda ronda, Sousa vai defrontar o vencedor do duelo entre o tunisino Malek Jaziri (ranking 59) e o espanhol Pablo Carreno Busta (12).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.