João Sousa procura quinta vitória da carreira frente a um top 10

Tenista português defronta esta segunda-feira o sérvio Novak Djokovic no US Open. Além do prestígio pode arrecadar um prize money de 475 mil dólares

João Sousa já fez história no Open dos Estados Unidos ao atingir a terceira ronda do torneio e esta segunda-feira, a partir das 19.00, terá uma nova façanha pela frente: tentar vencer Novak Djokovic (n. 6 do mundo) e conseguir a quinta vitória da sua carreira diante um tenista do top 10.

Desde que se tornou profissional, o atleta natural de Guimarães já defrontou em 30 ocasiões tenistas do top 10 da hierarquia ATP. Mas o saldo é francamente negativo: apenas quatro vitórias e 26 derrotas. O primeiro triunfo sobre um top 10 aconteceu em setembro de 2013, quando bateu o espanhol David Ferrer, na altura sexto classificado, acabando por vencer o torneio de Kuala Lumpur, o seu primeiro ATP. Três anos depois, em Tóquio, venceu Kei Nishikori (quinto).

E já este ano, em março, nos Estados Unidos, eliminou mais dois top 10: primeiro o alemão Alexander Zverev, em Indian Wells, e dias mais tarde afastou o número 9 mundial, o belga David Goffin, em Miami.

O tenista português vai defrontar Novak Djokovic pela quinta vez. Curiosamente, a primeira vez que jogaram um contra o outro foi há cinco anos, também no Open dos Estados Unidos, num jogo que terminou com o triunfo de Djokovic por 6-0, 6-2 e 6-2. Refira-se que nos quatro jogos anteriores, o português nunca conseguiu vencer um set ao sérvio.

Ao atingir os oitavos de final do US Open, Sousa já embolsou 266 mil dólares. Mas este bolo pode aumentar para 475 mil dólares se bater esta segunda-feira Novak Djokovic.

João Sousa, 68.º do ranking mundial, apurou-se no sábado pela primeira vez para uns oitavos de final de um Grand Slam, ao vencer o francês Lucas Pouille, 17.º do mundo, no Open dos Estados Unidos.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.