João Sousa não resiste a Djokovic e sai do US Open

Tenista português foi derrotado pelo sérvio em três sets, nos oitavos-de-final do último major do ano

A histórica campanha de João Sousa no US Open esbarrou no muro Novak Djokovic e chegou ao fim esta segunda-feira, nos oitavos-de-final do torneio do Grand Slam.

O melhor tenista português de sempre, atualmente 68.º do ranking mundial, deu boa luta ao renascido sérvio (6.º), um antigo número um mundial que este ano parece de volta aos melhores tempos, mas acabou por cair em três sets, por 6-3, 6-4 e 6-3, numa partida que durou 2h01m e foi marcada também por um par de interrupções a pedido de Djoko, aparentemente em dificuldades.

Esta foi a quinta vez, que Sousa defrontou Djokovic e, apesar do bom ténis demonstrado, ainda não foi desta que conseguiu ganhar um set ao rival, que tem 13 majors conquistados no palmarés (dois deles no US Open, em 2013 e 2015).

Recorde-se que João Sousa chegou pela primeira vez na carreira a uns oitavos de final de um Grand Slam, tendo vencido os espanhóis Marcelo Granollers e Pablo Carreno-Busta (desistência) e o francês Lucas Pouille nas eliminatórias anteriores.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.