Ex-treinador de Nélson Évora: "Pus termo às perseguições no Benfica"

João Ganço fala de perseguições depois do seu antigo atleta ter trocado a Luz por Alvalade. Garante que vai continuar a treinar: "A minha carreira de treinador atletismo não acaba com a minha saída do Benfica."

João Ganço, treinador de atletismo especializado no setor de saltos, deixa o Benfica invocando "perseguições e falta de respeito de que estava a ser alvo", após a saída do então seu atleta Nelson Évora para o Sporting.

"É verdade que pus termo às perseguições e falta de respeito de que estava a ser alvo no Benfica, após a saída do Nelson Évora (em 2016), nomeadamente com o afastamento da Susana Costa e mais recentemente do Tiago Pereira", refere o treinador, num esclarecimento enviado à Lusa, no qual acrescenta ter chegado a questionar-se sobre "quem seria a próxima vítima".

Ganço foi o treinador de Évora durante mais de duas décadas, tendo estado ligado às principais medalhas do triplista, nomeadamente o título olímpico (2008) e mundial (2007). A partir de 2016, Évora trocou o Benfica pelo Sporting e passou a ser treinado pelo cubano Ivan Pedroso.

Susana Costa, também triplista, acabou por se transferir na última época para a Academia Fernanda Ribeiro, e Tiago Pereira, que começou como saltador em altura para depois apostar também no triplo salto, foi afastado pelo Benfica há dois meses, depois de manifestações nas redes sociais, sobre futebol e atletismo, que desagradaram ao clube.

O treinador afirma que tentou debater "os problemas causados aos atletas" com os atuais responsáveis do atletismo do Benfica(...), que "surpreendentemente optaram por não atender aos superiores interesses do clube".

"Neste momento estou apenas focado no sucesso dos meus atletas, e em procurar proporcionar-lhes a tranquilidade que não têm tido ultimamente, em prejuízo do desempenho desportivo e paz de espírito que todo o ser humano merece", acrescenta.

"A minha carreira de treinador de atletismo não acaba com a minha saída do Benfica", garante o técnico, que vão continuar com Tiago Pereira - terceiro melhor triplista português, depois de Évora e Pedro Pablo Pichardo - além de Paulo Conceição e Victor Korst.

João Ganço quer conduzi-los "a um desempenho desportivo de excelência, ao mais elevado nível internacional", a exemplo do que defende ter feito com Nelson Évora, Francis Obikwelu e Susana Costa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.