João Carvalho: "Já devíamos estar com o apuramento garantido"

O médio do Nottingham Forest admitiu nesta quinta-feira que a seleção portuguesa de sub-21 já devia estar apurada para o Euro 2019, mas mostrou-se com ambição para conseguir ainda o primeiro lugar do grupo 8 de qualificação.

"Temos sentido dificuldades, mas sinto a equipa a melhorar. Não pretendíamos estar nessa fase assim e já devíamos estar com o apuramento garantido. Temos de aprender com os erros que cometemos", disse João Carvalho, em conferência de imprensa.

A seleção das quinas, orientada por Rui Jorge, ocupa a terceira posição do Grupo 8, com 16 pontos, menos dois do que Roménia e Bósnia e Herzegovina, que tem mais um jogo que portugueses e romenos.

Contudo, para o médio, os dois encontros decisivos diante de Liechtenstein e Bósnia e Herzegovina são para somar os seis pontos, frisando que a liderança ainda é possível alcançar.

"O primeiro lugar não é inatingível, mas também não está fácil. Temos de encarar os jogos de igual forma e ganhar sempre. Pensar primeiro neste jogo (diante do Liechtenstein) e conseguir os três pontos. Depois, seguir para o segundo e fazermos as contas", declarou.

De acordo com João Carvalho, Portugal é favorito "contra a Bósnia", apesar de o adversário estar "à frente", mas lembrou que nos sub-21 "não há jogos fáceis".

Com escassas oportunidades no Benfica de Rui Vitória, o médio, de 21 anos, transferiu-se no verão para Inglaterra para mostrar o seu futebol no Nottingham Forest, onde tem a companhia dos compatriotas Tobias Figueiredo, Diogo Gonçalves e Gil Dias.

"Tem corrido tudo bem no clube e dentro dos objetivos que pretendo. Por isso é que também estou aqui (na seleção)", contou.

A equipa das quinas defronta o Liechtenstein, na quinta-feira, pelas 17.30, em Vaduz, e a Bósnia e Herzegovina, em 16 de outubro, uma terça-feira, pelas 19.00, no Estádio do Marítimo, no Funchal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?