Jesus acusa Bruno de Carvalho de mentir em Tribunal

O antigo treinador do Sporting garante que foi Bruno de Carvalho quem alterou a hora de treino em Alcochete no dia das agressões na academia.

Jorge Jesus garante que Bruno de Carvalho mentiu em tribunal quando afirmou que foi o antigo treinador do Sporting quem alterou a sessão de treino na academia de Alcochete a 15 de maio, dia em que ocorreu o ataque a jogadores e equipa técnica. "Não, quem mudou foi ele. Agora não sei se foi com a intenção de alguma coisa", disse o técnico do Al Hilal (Arábia Saudita) em entrevista ao Correio da Manhã.

De acordo com Jorge Jesus, o antigo presidente do Sporting adiou o treino porque precisava de mais tempo para ter a nota de culpa "junto dos advogados" com vista ao despedimento da equipa técnica. "Bruno de Carvalho mentiu em tribunal. O treino foi alterado das dez da manhã para as quatro da tarde, porque ele disse que precisava de tempo para que fosse criada a nota de culpa para suspender a equipa técnica", assegura o técnico, que vai depor em tribunal.

Entre os 44 arguidos do processo do ataque à academia de Alcochete estão o antigo presidente do clube de Alvalade, Bruno de Carvalho, e Mustafá, líder da Juve Leo, que estão acusados, como autores morais, de 40 crimes de ameaça agravada, 19 de ofensa à integridade física qualificada, 38 de sequestro, um de detenção de arma proibida e crimes que são classificados como terrorismo, não quantificados.

"Eu e os meus jogadores ficámos chocados com aquilo que os nossos adeptos criaram"

Perante o juiz, Bruno de Carvalho disse que Jorge Jesus "deve ter levado uma vergastada muito levezinha". "Claro que não fui agredido na cara com um cinto. Foi no corpo a agressão", diz ao recordar o momento em que foi agredido. "Nem estava lá, nem sabe o que se passou. Fui agredido outra vez e estava lá muita gente, incluindo jogadores que viram", afirmou referindo-se a Petrovic e William. "Eu virei-me a alguns adeptos e disse que aquilo em Alcochete era uma traição ao Sporting. Logo a seguir levei um soco que me fez cair", lembra.

Assume que lhe custou ver as novas imagens do ataque à academia de Alcochete. "Eu não tinha noção do que se tinha passado naquele momento".

Apesar de se sentir de "indefeso" durante o ataque, Jesus garante: "eu não tive medo de nada. O meu ADN é assim, desde a infância. Nem pensei se me iam dar com tacos de basebol, barras de aço e cintos. Foi um momento difícil. Eu e os meus jogadores ficámos chocados com aquilo que os nossos adeptos criaram". O treinador português diz que ficou surpreendido pela facilidade "com que eles" entraram na academia.

Jesus garante que não foi contactado pelo Benfica

Sobre o facto de ter sido associado ao Benfica numa altura de contestação ao treinador Rui Vitória, Jesus garante: "Não, não fui contactado". Ao diário, o treinador do Al Hilal considera que o presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira "fez muito bem" em segurar Vitória. Diz que o regresso a Portugal "é inevitável". Não sabe é quando, "nem como, nem qual o clube".

"Estou num projeto em que quero ficar", diz quando questionado sobre a possibilidade de receber agora um convite para regressar ao comando técnico das águias.

Exclusivos