James Rodríguez condenado a pagar 11,65 milhões por fraude fiscal em Espanha

Em causa está a tributação dos direitos de imagem e o facto de se ter declarado como não residente no país nos primeiros seis meses como jogador do Real Madrid

O colombiano James Rodríguez foi condenado a pagar 11,65 milhões de euros por fraude fiscal em Espanha, relativos aos tempos que era jogador do Real Madrid, revela esta quinta-feira o jornal El Mundo.

A agência tributária espanhola atribui ao atual jogador do Bayern Munique uma fuga aos impostos no valor de 6,35 milhões de euros, relativos aos direitos de imagem, sendo que a esse valor terá de acrescentar um outro por não se ter declarado na sua declaração de impostos como residente em Espanha.

A alegada ilegalidade terá sido cometida em 2014, quando trocou o Mónaco pelo Real Madrid, com os merengues a pagarem 80 milhões de euros pela transferência. Na sua declaração às finanças, James Rodríguez não se declarou como residente em Espanha, tendo o fisco aberto uma investigação para avaliar se podia ser considerado como residente no país.

Segundo fonte fontes próximas da investigação citadas pelo El Mundo, o jogador devia ter declarado que era residente em Espanha, uma vez que é isso que diz a lei, mesmo que se trate apenas de uma permanência no país durante 183 dias, que foi o tempo relativo à declaração às finanças espanholas desde que se consumou a transferência até ao final do ano fiscal. Isto porque o rendimento foi auferido em Espanha.

Quanto à questão dos direitos de imagem, reside no facto de o jogador ter vendido ao empresário Jorge Mendes a sua exploração por 12 milhões de euros, com um contrato registado em Marrocos (Casablanca) a 28 de dezembro de 2014. Ou seja, James Rodríguez só pagou impostos relativos a uma pequena parte desse montante por se ter declarado não residente em Espanha, razão pela qual as finanças considera que faltam pagar 4,9 milhões de euros.

O jogador terá ainda de pagar acertos correspondentes aos exercícios fiscais entre 2015 e 2017, que se aproximam dos 900 mil euros.

Este caso envolvendo o antigo jogador do FC Porto surgiu após o caso que envolveu Cristiano Ronaldo, que entretanto chegou a um acordo com as finanças espanholas para o pagamento de 18,8 milhões de euros. O El Mundo esclarece ainda que a agência tributária isentou Jorge Mendes de qualquer responsabilidade nestes dois casos.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.