Itália cede empate em casa com a Polónia

Os italianos, que visitam Portugal na segunda-feira, estiveram a perder, acabando por conquistar um ponto graças a um penálti do ítalo-brasileiro Jorginho

A Itália não foi além do empate, em casa, por 1-1 com a Polónia, em jogo relativo ao grupo 3, o mesmo de Portugal, da Liga A, da Liga das Nações da UEFA.

A três dias de defrontar a seleção nacional, no Estádio da Luz, os italianos estrearam-se da pior maneira nesta nova competição, depois da desilusão de terem falhado o Mundial 2018.

Na partida disputada em Bolonha, a Polónia até esteve a vencer graças a um golo de Zielinski (jogador do Nápoles) aos 40 minutos, tendo a Itália evitado uma surpresa maior graças a um penálti transformado pelo ítalo-brasileiro Jorginho, aos 78 minutos.

Na Liga B, a Rússia foi à Turquia vencer por 2-1 em jogo a contar para o grupo 2. Denis Cherychev abriu o marcador aos 13 minutos, tendo o turco Serdar Aziz conseguido empatar ainda antes do intervalo. No entanto, o ponta-de-lança Dzyuba deu o triunfo aos russos no início do segundo tempo.

Eis os resultados dos jogos desta sexta-feira da Liga das Nações:

LIGA A - Grupo 3
Itália-Polónia, 1-1

LIGA B - Grupo 2
Turquia-Rússia, 1-2

LIGA C - Grupo 1
Albânia-Israel, 1-0

LIGA C - Grupo 4
Lituânia-Sérvia, 0-1
Roménia-Montenegro, 0-0

LIGA D - Grupo 3
Azerbaijão-Kosovo, 0-0
Ilhas Faroé-Malta, 3-1

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.