Irão de Carlos Queiroz já está nos quartos da Taça Asiática

Terceira presença seguida do treinador português nessa fase da competição, depois de o Irão vencer neste domingo Omã (2-0).

No Estádio Mohammed Bin Zayed, em Abu Dhabi, Irão e Omã discutiram a presença nos quartos-de-final, após as qualificações mais cedo do Vietname e da China, seleções que venceram a Jordânia (1-1, 4-2 nos penáltis) e a Tailândia (2-1), respetivamente.

Carlos Queiroz, selecionador do Irão desde 2011, tem a sua terceira presença na Taça Asiática, depois de na estreia, quando assumiu a seleção, ter sido eliminado nos quartos-de-final, e em 2015 também.

A edição deste ano da competição, que decorre a cada quatro anos, viu as equipas aumentarem para 24, levando a que a fase a eliminar, que arrancou hoje, se iniciasse com os oitavos-de-final.

O treinador português repete assim nova presença nos quartos, defrontando, na quinta-feira, a China, país que foi seu adversário na qualificação para o Mundial 2018 e a quem venceu em casa (1-0) e empatou fora (0-0).

Hoje, diante de Omã, o Irão garantiu a passagem à eliminatória seguinte com golos de Alireza Jahanbakhsh, aos 32 minutos, e Ashkan Dejagah, aos 41, de grande penalidade, depois de Ahmed Mubarak falhar um penálti para Omã, aos três minutos.

Mais cedo, o Vietname (100.º no ranking mundial) venceu a Jordânia (109.ª), no desempate por grandes penalidades (4-2) e depois de uma igualdade a um golo após prolongamento, e a China (76.ª) apurou-se frente à Tailândia (2-1).

O Vietname irá encontrar nos quartos-de-final o vencedor do jogo entre Japão, vencedor da competição em 2011, 2004, 2000 e 1992, e Arábia Saudita, campeã em 1996, 1988 e 1984, que se realiza na segunda-feira.

O detentor do troféu, a Austrália, vencedora da edição de 2015, defrontará, também na segunda-feira, o Uzbequistão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.