Insigne: "Podemos derrotar Portugal e chegar ao primeiro lugar"

O avançado do Nápoles considerou esta quarta-feira que a Itália tem condições para derrotar no sábado Portugal, em Milão, e assumir a liderança do grupo 3 da Liga das Nações A.

"Chegar ao primeiro lugar no grupo é difícil, mas não impossível. Nos jogos com a Ucrânia e a Polónia houve uma melhoria. Podemos colocar Portugal em apuros e temos de dar uma grande resposta aos nossos adeptos", disse Lorenzo Insigne, em conferência de imprensa.

Nos primeiros sete jogos da era do selecionador Roberto Mancini, que pegou na seleção após a qualificação falhada para o Mundial2018, na Rússia, Insigne foi titular em cinco encontros, nos quais a Itália conquistou duas vitórias e três empates.

Insigne, de 27 anos, brincou com a sua estatura (1,63 metros), considerando que "há um monte de baixinhos com bons pés" e a fazer justiça à sua opinião está o facto de ser um dos indiscutíveis de Mancini para o setor ofensivo da seleção.

"É a minha melhor época. Podemos derrotar Portugal e chegar ao primeiro lugar do grupo", reforçou Insigne, que prometeu honrar a camisola da seleção transalpina e ajudar, juntamente com os seus colegas, a "levar a Itália o mais alto possível".

Portugal, que em 10 de setembro venceu a Itália por 1-0, no Estádio da Luz, em Lisboa, lidera o Grupo 3 da Liga das Nações A, com seis pontos, mais dois do que a seleção transalpina e mais cinco do que a lanterna-vermelha Polónia, já eliminada.

A equipa orientada por Fernando Santos precisa apenas de conquistar um empate em Milão para se qualificar para a final four -- que deverá organizar, em junho de 2019 -, mas mesmo uma derrota poderá ser retificada três dias mais tarde, em 20 de novembro, quando receber a Polónia, em Guimarães.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.