Campanha contra racismo. Início do Inglaterra-Suíça vai ser a preto e branco

Iniciativa da Associação de Futebol britânica tem como objetivo assinalar os 25 anos da 'Kick it Out', campanha contra o racismo no futebol

Os primeiros 25 segundos do jogo particular entre a Inglaterra e a Suíça, que se realiza esta terça-feira no King Power Stadium, em Leicester, vão ser transmitidos a preto e branco pelo canal de televisão britânico Sky Sports. A iniciativa da Associação de Futebol britânica procura assinalar os 25 anos da campanha 'Kick It Out', contra o racismo no futebol.

"Temos a esperança de que as imagens encorajem milhões de espetadores a pensarem, durante 25 segundos, sobre a importância da diversidade neste desporto. Estamos agradecidos à Sky Sports por apoiar esta ideia desde a sua conceção, e esperamos ver os Três Leões a a preto e branco pela primeira vez em quase 50 anos", disse à Sky News Paul Elliot, conselheiro do departamento da Associação de Futebol britânica dedicado à inclusão.

De acordo com a BBC, os jogadores ingleses vão mostrar o seu apoio a esta causa, ao usarem t-shirts alusivas à campanha, e vão estar em campo acompanhados de oito mascotes cujos nomes vão ser atribuídos pela organização.

"O 'Kick it Out' tem sido um catalisador para a mudança no futebol inglês dentro e fora de campo, e estamos muito satisfeitos em celebrar o seu trabalho inspirador ao promover o futebol para todos. Espero que as imagens encorajem milhões de espetadores em casa a despenderem pelo menos 25 segundos a pensarem na importância da diversidade neste nosso belo jogo", acrescentou Paul Elliot.

A campanha 'Kick it Out' foi criada em 1993 para responder aos abusos sofridos pelos jogadores em campo e pelas minorias étnicas que acompanhavam os jogos e as suas equipas.

O pontapé de saída deste jogo dá-se pelas 20 horas.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.