Ingleses dizem que West Ham paga 40 milhões por Marega

Maliano quer sair, já o disse publicamente, mas tem contrato por mais dois anos. Aos londrinos junta-se na corrida o Schalke 04

Moussa Marega, porventura o jogador mais influente no título nacional do FC Porto, pode estar de partida para a Premier League. A imprensa inglesa adianta que o West Ham está a ponderar seriamente a possibilidade de pagar os 40 milhões de euros relativos à cláusula de rescisão que constam no contrato que une o maliano ao FC Porto.

Mas o West Ham não é o único clube interessado em Marega, pois os alemães do Schalke 04 também já tentaram informar-se como podiam tirar o avançado do Dragão. Ao que parece, o Marselha está fora da corrida por Marega pois ter-se-à assustado com os valores pretendidos pelo FC Porto para libertar o futebolista africano.

Com contrato até 2020 e após uma época fabulosa, abrilhantada com 23 golos em 41 jogos disputados nas mais variadas competições, o FC Porto tenta valorizar um futebolista que é de fulcral importância para o estilo de jogo imposto por Sérgio Conceição nos dragões. Talvez por isso, o FC Porto não aceite iniciar negociações tendo em vista a a saída de Marega se o clube interessado não colocar em cima da mesa 25 milhões de euros para início de conversa.

No meio disto tudo há a vontade de Marega que já fez saber a sua vontade em partir para outros desafios de modo a melhorar a sua situação financeira. "Para mim, penso que este é o melhor momento para tentar a sorte noutro lado, experimentar um novo campeonato, como a Premier League", disse Marega a 12 de junho último ao site francês Sport SFR.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.