Inês Henriques já só pensa em marchar para o ouro Olímpico em Tóquio

A atleta portuguesa está a ser auxiliada pelo advogado norte-americano Paul Demeester, o mesmo que já a ajudou a poder competir nestes Europeus, e quer obrigar o Comité Olímpico a integrar os 50Km marcha nos Jogos Olímpicos de 2020.

Depois do título mundial e do título europeu, Inês Henriques sonha com uma oportunidade para correr os 50 quilómetros marcha nos Jogos Olímpicos de Tóquio2020, uma disciplina que luta pela integração da corrida feminina no calendário olímpico.

"É, sem dúvida, um dos melhores momentos da minha carreira. Os 50 kms são uma oportunidade que me vieram dar. Sou uma pioneira e sinto-me muito feliz por isso. [Os Jogos Olímpicos] são o grande objetivo. Acredito com todas as minhas forças que estarei em Tóquio a fazer os 50 kms marcha", disse a marchadora portuguesa à chegada a Lisboa, após a conquista da medalha de ouro nos europeus de Berlim.

Inês foi recebida em festa por algumas dezenas de pessoas, no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, e revelou grande otimismo em relação a essa batalha. A luta pela integração da prova feminina dos 50 kms marcha no calendário de Tóquio2020 é uma corrida quase tão longa como a disciplina em si mesma. Nesse caminho, a atleta portuguesa está a ser auxiliada pelo advogado norte-americano Paul Demeester, o mesmo que já a ajudou a poder competir nestes Europeus.

"O advogado que me ajudou na introdução dos 50 kms nos Mundiais e nos Europeus está a trabalhar para o conseguir nos Jogos Olímpicos. Não é fácil. O ano passado tivemos sete atletas no Campeonato do Mundo, agora tivemos 19 nos Europeus e com grande qualidade. É algo a que temos direito, acredito que vamos conseguir. Temos o direito de ter a mesma oportunidade que os homens", afirmou a campeã.

Confessando estar a viver uma "segunda vida" no atletismo, a atleta de 38 anos lembrou ainda um percurso na modalidade que já conta com 26 anos e manifestou gratidão pela "oportunidade fantástica" que esta disciplina lhe deu nos últimos anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.