Inês Henriques já só pensa em marchar para o ouro Olímpico em Tóquio

A atleta portuguesa está a ser auxiliada pelo advogado norte-americano Paul Demeester, o mesmo que já a ajudou a poder competir nestes Europeus, e quer obrigar o Comité Olímpico a integrar os 50Km marcha nos Jogos Olímpicos de 2020.

Depois do título mundial e do título europeu, Inês Henriques sonha com uma oportunidade para correr os 50 quilómetros marcha nos Jogos Olímpicos de Tóquio2020, uma disciplina que luta pela integração da corrida feminina no calendário olímpico.

"É, sem dúvida, um dos melhores momentos da minha carreira. Os 50 kms são uma oportunidade que me vieram dar. Sou uma pioneira e sinto-me muito feliz por isso. [Os Jogos Olímpicos] são o grande objetivo. Acredito com todas as minhas forças que estarei em Tóquio a fazer os 50 kms marcha", disse a marchadora portuguesa à chegada a Lisboa, após a conquista da medalha de ouro nos europeus de Berlim.

Inês foi recebida em festa por algumas dezenas de pessoas, no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, e revelou grande otimismo em relação a essa batalha. A luta pela integração da prova feminina dos 50 kms marcha no calendário de Tóquio2020 é uma corrida quase tão longa como a disciplina em si mesma. Nesse caminho, a atleta portuguesa está a ser auxiliada pelo advogado norte-americano Paul Demeester, o mesmo que já a ajudou a poder competir nestes Europeus.

"O advogado que me ajudou na introdução dos 50 kms nos Mundiais e nos Europeus está a trabalhar para o conseguir nos Jogos Olímpicos. Não é fácil. O ano passado tivemos sete atletas no Campeonato do Mundo, agora tivemos 19 nos Europeus e com grande qualidade. É algo a que temos direito, acredito que vamos conseguir. Temos o direito de ter a mesma oportunidade que os homens", afirmou a campeã.

Confessando estar a viver uma "segunda vida" no atletismo, a atleta de 38 anos lembrou ainda um percurso na modalidade que já conta com 26 anos e manifestou gratidão pela "oportunidade fantástica" que esta disciplina lhe deu nos últimos anos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.