Inês Henriques já só pensa em marchar para o ouro Olímpico em Tóquio

A atleta portuguesa está a ser auxiliada pelo advogado norte-americano Paul Demeester, o mesmo que já a ajudou a poder competir nestes Europeus, e quer obrigar o Comité Olímpico a integrar os 50Km marcha nos Jogos Olímpicos de 2020.

Depois do título mundial e do título europeu, Inês Henriques sonha com uma oportunidade para correr os 50 quilómetros marcha nos Jogos Olímpicos de Tóquio2020, uma disciplina que luta pela integração da corrida feminina no calendário olímpico.

"É, sem dúvida, um dos melhores momentos da minha carreira. Os 50 kms são uma oportunidade que me vieram dar. Sou uma pioneira e sinto-me muito feliz por isso. [Os Jogos Olímpicos] são o grande objetivo. Acredito com todas as minhas forças que estarei em Tóquio a fazer os 50 kms marcha", disse a marchadora portuguesa à chegada a Lisboa, após a conquista da medalha de ouro nos europeus de Berlim.

Inês foi recebida em festa por algumas dezenas de pessoas, no Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, e revelou grande otimismo em relação a essa batalha. A luta pela integração da prova feminina dos 50 kms marcha no calendário de Tóquio2020 é uma corrida quase tão longa como a disciplina em si mesma. Nesse caminho, a atleta portuguesa está a ser auxiliada pelo advogado norte-americano Paul Demeester, o mesmo que já a ajudou a poder competir nestes Europeus.

"O advogado que me ajudou na introdução dos 50 kms nos Mundiais e nos Europeus está a trabalhar para o conseguir nos Jogos Olímpicos. Não é fácil. O ano passado tivemos sete atletas no Campeonato do Mundo, agora tivemos 19 nos Europeus e com grande qualidade. É algo a que temos direito, acredito que vamos conseguir. Temos o direito de ter a mesma oportunidade que os homens", afirmou a campeã.

Confessando estar a viver uma "segunda vida" no atletismo, a atleta de 38 anos lembrou ainda um percurso na modalidade que já conta com 26 anos e manifestou gratidão pela "oportunidade fantástica" que esta disciplina lhe deu nos últimos anos.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.