Inês Henriques campeã europeia de 50 km marcha

Marchadora de Rio Maior fez história esta terça-feira, já que foi a primeira vez que a prova mais longa do atletismo foi disputada por mulheres em Europeus. Junta título continental ao mundial

Depois do título mundial, o europeu. Inês Henriques venceu esta terça-feira a prova de 50 quilómetros marcha dos Europeus de atletismo, que se estão a realizar em Berlim, na Alemanha.

A marchadora portuguesa de 38 anos completou a prova em 4:09:21, numa edição história, já que foi a primeira vez que a prova mais longa do atletismo foi disputada por mulheres em Europeus, um ano depois da estreia da especialidade em Mundiais, em Londres, também com vitória da atleta do CN Rio Maior.

A ucraniana Alina Tsviliy cortou a meta em segundo lugar, batendo o recorde do seu país (4:12:44), e a espanhola Julia Takács (4:15:22) completou o pódio.

Depois de ter batido a concorrência de seis adversárias nos Mundiais, desta vez Inês Henriques teve se bater com 18 oponentes, mas nem isso lhe impediu um triunfo por uma margem bastante confortável, que garantiu a 15.ª medalha de ouro de sempre a Portugal em Europeus de atletismo.

Por bater ficou o recorde do mundo, que já foi seu mas que agora está na posse a chinesa Liang Rui, que a marchar em Taicang, no seu país, cruzou a meta em 4:04:36, a 5 de maio deste ano, no Campeonato do Mundo de Nações. O melhor registo da portuguesa continua a ser os 4:05:56 alcançados a 13 de agosto do ano passado nos Mundiais de Londres.

Em simultâneo, realizou-se a competição masculina, vencida pelo ucraniano Maryan Zakalnytskyy (3:46:32), seguido do eslovaco Matej Tóth (3:47:27) e do bielorrusso Dzmitry Dziubin (3:47:59).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.