II Liga: Estoril, Mafra e Farense imitam Paços de Ferreira

Há quatro equipas com vitórias nos dois jogos disputados. O sábado começou com o triunfo do Paços de Ferreira em Coimbra, mas depois outras três equipas seguiram o exemplo da formação de Vítor Oliveira

Sábado muito produtivo para as equipas que jogaram fora de casa. De manhã o Paços de Ferreira venceu a Académica, em Coimbra, por 1-0, num encontro em que o internacional Hugo Almeida terminou na baliza dos estudantes após expulsão de Peçanha. E os pacenses chegaram-se aos seis pontos em duas jornadas.

Da parte da tarde mais três equipas venceram em campo alheio e terminaram a jornada com os mesmos seis pontos do Paços de Ferreira de Vítor Oliveira. O Farense venceu 1-3 o FC Porto B, em Maia, com golos de Bruno Bernardo, Fabrício e Nuno Borges. A equipa de Rui Barros fez o seu golo de honra por Rúben Macedo. Vida difícil para o FC Porto B que na primeira ronda tinha sido goleado na Amoreira, pelo Estoril, por 4-0.

O mesmo Estoril que bateu, fora, o Sp. Braga B com um golo do jovem avançado azeri de origem alemã, Dadashov, que seria expulso nos descontos.

O recém-promovido Mafra voltou a causar amargos de boca a uma equipa B, no caso o V. Guimarães, por 2-0, com golos de Zé Tiago e Guilherme Ramos. A formação do Oeste foi a única equipa a ganhar em casa.

Finalmente o Sp. Covilhã venceu o Cova da Piedade, no terreno deste, por 4-2.

Resultados:

Académica 0-1 Paços Ferreira
FC Porto B 1-3 Farense
Mafra 2-0 V. Guimarães
Cova da Piedade 2-4 Sp. Covilhã
Sp. Braga B 0-1 Estoril

Domingo:
Arouca-Benfica B
Leixões-Varzim
Ac. Viseu-Oliveirense
Famalicão-Penafiel

Pode consultar a classificação aqui.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.