Hugo Miguel dirige clássico entre Sporting e FC Porto

O árbitro da associação de Lisboa vai dirigir pela terceira vez um encontro entre Sporting e FC Porto no campeonato, naquele que será o quinto clássico da carreira

Hugo Miguel, da associação de Lisboa, vai dirigir este sábado o encontro entre o Sporting e o FC Porto, da 17.ª jornada da I Liga de futebol, de acordo com informação publicada no site da Liga de clubes.

O lisboeta vai ser assistido por Ricardo Santos e Bruno Trindade, com Tiago Martins, também da associação de Lisboa, a ser o videoárbitro.

Hugo Miguel vai dirigir pela terceira vez um encontro entre 'leões' e 'dragões' no campeonato, naquele que será o quinto clássico da carreira - esteve duas vezes em jogos entre Sporting e Benfica.

Em janeiro de 2016, o juiz da associação de Lisboa esteve no triunfo do Sporting sobre o FC Porto, por 2-0, em Alvalade, e, cerca de um ano depois, em fevereiro de 2017, dirigiu o triunfo dos 'azuis e brancos' em casa, por 2-1.

Esta temporada, Hugo Miguel já arbitrou um encontro de cada uma das equipas - derrota do Sporting em casa do Portimonense (4-2) e vitória do FC Porto no terreno do Boavista (1-0).

O Sporting, quarto classificado, com 34 pontos, recebe este sábado, às 15:30, o FC Porto, líder, com 42.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.