Cristiano Ronaldo partiu o nariz ao guarda-redes do Chievo

Choque entre os dois jogadores foi prejudicial a Sorrentino que, apesar dos seus 39 anos, estragou, com uma bela exibição, a estreia do madeirense pela Juventus. Veterano deixou mensagem em tom de brincadeira

O guarda-redes do Chievo Stefano Sorrentino sofreu uma fratura no nariz no choque involuntário com Cristiano Ronaldo, no jogo de estreia do português pela Juventus na Liga italiana de futebol, anunciou este domingo o clube de Verona.

"O Chievo comunica que o guarda-redes Stefano Sorrentino, após um choque ocorrido ao minuto 41 da segunda parte do jogo entre Chievo e Juventus, sofreu uma fratura dos ossos nasais, um traumatismo no ombro esquerdo e uma contusão na zona cervical", lê-se no sítio oficial do Chievo na Internet.

O clube dá ainda conta de que Sorrentino, de 39 anos, já teve alta hospitalar, depois de cumprido o necessário período de observação.

O veterano deixou uma mensagem em tom de brincadeira já este domingo. "Obrigado a todos pelas mensagens de apoio e demonstrações de afeto. Somos um grupo fantástico e ontem estivemos bem contra uma grande equipa. Entretanto, posso dizer que CR7 me acertou em cheio!."

O guarda-redes foi protagonista de um duelo com Cristiano Ronaldo durante o jogo da primeira jornada da Liga italiana, que a Juventus venceu por 3-2, e acabou por ser substituído aos 90+2, na sequência do choque com o português.

Na altura, com o resultado empatado 2-2, Ronaldo tentava desviar um cruzamento, mas acabou por chocar com Sorrentino, num lance em que o croata Mandzukic chegou a introduzir a bola na baliza do Chievo, mas foi invalidado por uma falta do português.

O golo da vitória da heptacampeã italiana foi apontado por Bernardeschi, aos 90+3, quando a baliza adversária já era defendida por Seculin.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?