Golo e assistência de Ronaldo no regresso da Juventus às vitórias

Cristiano Ronaldo contribuiu com um golo e uma assistência para a vitória 3-0 da Juventus no terreno do Sassuolo, marcando o regresso dos campeões aos triunfos na liga italiana de futebol, após empate na ronda anterior.

O alemão Sami Khedira abriu a conta, aos 23 minutos, e o português fez o 2-0, aos 70, de cabeça, a saltar mais alto do que toda a defesa adversária. Ainda teve tempo para assistir o germânico Emre Can, aos 86.

A 23.ª jornada da liga italiana correu de feição à 'Juve', já que o principal rival, o Nápoles, empatou no sábado sem golos em Florença, com a diferença entre as duas formações a regressar aos 11 pontos.

A Juventus recoloca-se assim no trilho dos bons resultados, após o empate com o Parma, na jornada anterior, e da derrota com a Atalanta para a Taça de Itália.

Para Cristiano Ronaldo, foi o 19.º golo no campeonato, a reforçar a lista de melhores marcadores. A nível europeu, só é superado pelos 21 golos de Lionel Messi, do FC Barcelona, na liga espanhola.

Também hoje, a Atalanta bateu por 2-1 o SPAL e recuperou o quarto lugar do campeonato, em igualdade pontual com a Lazio e a Roma.

O Génova, de Miguel Veloso e Pedro Pereira, empatou 1-1 em Bolonha e cimentou o 13.º lugar, continuando bem instalado na zona tranquila, com 25 pontos.

Finalmente, o AC Milan recebeu e venceu o Cagliari, por 3-0, e ascendeu ao quarto lugar da Série A. Um autogolo de Ceppitelli abriu o caminho ao triunfo, que foi fechado pelo brasileiro Lucas Paquetá e pelo polaco Piatek.

Resultados da 23.ª jornada da Série A:

Lazio-Empoli, 1-0
Chievo Verona- AS Roma, 0-3
Fiorentina-Nápoles, 0-0
Parma-Inter Milão, 0-1
Bolonha-Génova, 1-1
Torino-Udinese, 1-0
Sampdoria-Frosinone, 0-1
Atalanta-SPAL, 2-1
Sassuolo-Juventus, 0-3
AC Milan-Cagliari, 3-0

Confira aqui a classificação

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.