Golo e assistência de Ronaldo no regresso da Juventus às vitórias

Cristiano Ronaldo contribuiu com um golo e uma assistência para a vitória 3-0 da Juventus no terreno do Sassuolo, marcando o regresso dos campeões aos triunfos na liga italiana de futebol, após empate na ronda anterior.

O alemão Sami Khedira abriu a conta, aos 23 minutos, e o português fez o 2-0, aos 70, de cabeça, a saltar mais alto do que toda a defesa adversária. Ainda teve tempo para assistir o germânico Emre Can, aos 86.

A 23.ª jornada da liga italiana correu de feição à 'Juve', já que o principal rival, o Nápoles, empatou no sábado sem golos em Florença, com a diferença entre as duas formações a regressar aos 11 pontos.

A Juventus recoloca-se assim no trilho dos bons resultados, após o empate com o Parma, na jornada anterior, e da derrota com a Atalanta para a Taça de Itália.

Para Cristiano Ronaldo, foi o 19.º golo no campeonato, a reforçar a lista de melhores marcadores. A nível europeu, só é superado pelos 21 golos de Lionel Messi, do FC Barcelona, na liga espanhola.

Também hoje, a Atalanta bateu por 2-1 o SPAL e recuperou o quarto lugar do campeonato, em igualdade pontual com a Lazio e a Roma.

O Génova, de Miguel Veloso e Pedro Pereira, empatou 1-1 em Bolonha e cimentou o 13.º lugar, continuando bem instalado na zona tranquila, com 25 pontos.

Finalmente, o AC Milan recebeu e venceu o Cagliari, por 3-0, e ascendeu ao quarto lugar da Série A. Um autogolo de Ceppitelli abriu o caminho ao triunfo, que foi fechado pelo brasileiro Lucas Paquetá e pelo polaco Piatek.

Resultados da 23.ª jornada da Série A:

Lazio-Empoli, 1-0
Chievo Verona- AS Roma, 0-3
Fiorentina-Nápoles, 0-0
Parma-Inter Milão, 0-1
Bolonha-Génova, 1-1
Torino-Udinese, 1-0
Sampdoria-Frosinone, 0-1
Atalanta-SPAL, 2-1
Sassuolo-Juventus, 0-3
AC Milan-Cagliari, 3-0

Confira aqui a classificação

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.