Witsel segura vantagem do líder B. Dortmund no regresso da Bundesliga

Um golo do internacional belga Alex Witsel deu um importante triunfo ao Borussia Dortmund em casa do RB Leipzig, mantendo os seis pontos de vantagem para o Bayern Munique

No regresso da 'Bundesliga', após a paragem de inverno, a formação de Dortmund procurava manter a distância para o campeão, que abriu a segunda volta do campeonato na sexta-feira com um triunfo em Hoffenheim (3-1).

Com Raphael Guerreiro no 'onze', substituído por Pulisic aos 76 minutos, ao Dortmund valeu o golo do ex-benfiquista Witsel, aos 19 minutos, num jogo equilibrado em que o Leipzig (4.º) não contou com o português Bruma, lesionado.

A reentrada do campeonato foi igualmente benéfica para o Borussia Moenchengladbach, terceiro, que foi vencer a casa do Bayer Leverkusen, 10.º, graças a um golo do francês Plea, aos 37 minutos.

Com aspirações a lugares 'europeus', o Werder Bremen, oitavo, venceu em casa do 'aflito' Hannover (1-0), e o Mainz, 11.º, fez o mesmo na deslocação a casa do Estugarda, num duelo em que esteve a vencer por 3-0 e terminou 3-2.

Em bom plano continuou o Eintracht Frankfurt, ao vencer em casa o Friburgo, por 3-1, com o ex-portista Gonçalo Paciência, recuperado de lesão, no banco, e Luka Jovic a marcar o terceiro e a assumir a liderança isolada dos marcadores.

O sérvio, emprestado pelo Benfica à formação de Frankfurt, conta com 13 golos e três assistências na 'Bundesliga', mais um golo do que o espanhol Paco Alcacer, do Borussia Dortmund.

A 18.ª jornada, a primeira da segunda volta, fica fechada no domingo, com os jogos Nuremberga-Hertha Berlim e Schalke-Wolfsburgo.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.