Golo de Gelson Dala no último suspiro faz Rio Ave vencer o Portimonense

Os algarvios estiveram em vantagem, mas acabaram por perder em Vila do Conde depois de verem dois jogadores expulsos

O Rio Ave recebeu e venceu o Portimonense, por 2-1, numa partida emocionante e cheia de peripécias que foi resolvida pelos vilacondenses com um golo de Gelson Dala no último lance do jogo, numa altura em que os algarvios já jogavam com nove elementos devido às expulsões de Lucas Possignolo e Wilson Manafá.

A equipa de António Folha até começou melhor a partida, tendo chegado ao golo através de um cabeceamento de Dener, após um cruzamento de Bruno Tabata.

Respondeu o Rio Ave no segundo tempo, pois logo aos 48 minutos Gabrielzinho aproveitou um remate de Bruno Moreira que embateu em Rúben Fernandes para fazer o empate.

Os vilacondenses foram à procura do triunfo, mas encontraram resistência dos algarvios, que no entanto viram Lucas Possignolo ser expulso por travar Galeno à entrada da área quando o brasileiro se ia isolar. Inicialmente o árbitro Artur Soares Dias mandou marcar penálti, mas depois de consultar o VAR acabou por emendar a decisão.

Aos 87 minutos foi Wilson Manafá a receber ordem de expulsão, ao ver o segundo cartão amarelo por derrubar Galeno. O Rio Ave fez então um esforço final para chegar ao triunfo e acabou por ser premiado aos 90+6 minutos, quando Gelson Dala aproveitou uma perda de bola de Ewerton para bater o guarda-redes Ricardo Ferreira.

O Rio Ave somou assim a segunda vitória na I Liga, estando agora com sete pontos, enquanto o Portimonense, continua no penúltimo lugar com apenas um ponto.

Consulte aqui a classificação

FICHA DO JOGO

Estádio do Rio Ave FC, em Vila do Conde (2.000 espetadores)
Árbitro: Artur Soares Dias (Porto)

Rio Ave: Léo Jardim; Junio Rocha, Buatu, Borevkovic, Matheus Reis; Leandrinho (Jambor, 46), Tarantini (Diego Lopes, 80); Gelson Dala, Gabrielzinho, Galeno; Bruno Moreira (Vinícius, 70)
Treinador: José Gomes.

Portimonense: Ricardo Ferreira; Hackman, Lucas Possingolo, Rúben Ferreira, Wilson Manafá; Pedro Sá, Ewerton; Dener, Nakajima (Matheus Jesus, 88), Bruno Tabata (Rafael Barbosa, 77); Wellington (Felipe Macedo, 68)
Treinador: António Folha.

Cartão amarelo a Dener (12), Buatu (53), Wilson Manafá (55 e 87) e Gelson Dala (90+8).
Cartão vermelho a Lucas Possingolo (58) e Wilson Manafá (87)

Marcadores: 0-1, Wellington (24); 1-1, Gabrielzinho (48); 2-1, Gelson Dala (90+6)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.