Gedson, Sérgio Oliveira, Pedro Mendes e Cláudio Ramos em estreia pela seleção

Fernando Santos anunciou esta sexta-feira os convocados para os jogos com a Croácia (6 de setembro, 19.45, Estádio Algarve) e Itália (10 de setembro, 19.45, Luz)

As chamadas do guarda-redes Cláudio Ramos, do central Pedro Mendes e dos médios Gedson Fernandes e Sérgio Oliveira, que ainda não somaram qualquer internacionalização pela seleção nacional, são as principais novidades na lista de Fernando Santos para os jogos com a Croácia (6 de setembro, 19.45, Estádio Algarve) e Itália (10 de setembro, 19.45, Luz).

Cristiano Ronaldo ficou de fora da convocatória, que contempla os regressos de João Cancelo, Neto, Rúben Neves, Rony Lopes, Pizzi, Renato Sanches e Bruma, que falharam o Campeonato do Mundo.

"Vamos centrar-nos na fase de apuramento para o Euro 2020 a partir de março. Não vamos olhar para a Liga das Nações como uma prova que nos dê a qualificação para o Europeu", afirmou Fernando Santos, em conferência de imprensa.

"Acho que todas as equipas que participam na Liga das Nações vão querer sair vencedoras", acrescentou.

"Que eu saiba, ninguém se autoexclui da seleção", vincou Fernando Santos, quando questionado sobre as várias ausências de jogadores que estiveram no Mundial 2018.

Um dos estreantes, Pedro Mendes, rejubilou pela convocatória: "Muito feliz por fazer parte desta convocatória! Obrigado a todos aqueles que fazem parte do meu quotidiano permitindo-me evoluir e ajudar a realizar este sonho."

Os 24 convocados

Guarda-redes:

Beto (Goztepe)

Rui Patrício (Wolverhampton)

Cláudio Ramos (Tondela)

Defesas:

Cédric (Southampton)

Mário Rui (Nápoles)

Pepe (Besiktas)

Raphaël Guerreiro (Borussia Dortmund)

Rúben Dias (Benfica)

João Cancelo (Juventus)

Neto (Zenit)

Pedro Mendes (Montpellier)

Médios:

Bruno Fernandes (Sporting)

Gedson Fernandes (Benfica)

William Carvalho (Betis)

Pizzi (Benfica)

Rúben Neves (Wolverhampton)

Sérgio Oliveira (FC Porto)

Rony Lopes (Mónaco)

Renato Sanches (Bayern)

Avançados:

André Silva (Sevilha)

Bernardo Silva (Manchester City)

Gelson Martins (Atlético Madrid)

Gonçalo Guedes (Valencia)

Bruma (Leipzig)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.