Futebolista do Canelas acusado por agredir árbitro hoje em tribunal

De acordo com a acusação, o jogador agarrou o árbitro pelo pescoço, fez-lhe uma "gravata" e, em seguida, atingiu-o na cara com o joelho

O Tribunal de Gondomar agendou para hoje o início do julgamento de um futebolista do Canelas 2010 acusado de agredir um árbitro, dando-lhe uma pancada com o joelho e atingindo-o na cara.

Os factos remontam a 02 de abril de 2017, no decorrer de um jogo de futebol entre o Rio Tinto e o Canelas 2010, a contar para a fase de subida do Campeonato Distrital do Porto e, de acordo com a acusação do processo, o jogador Marco Gonçalves agarrou o árbitro José Rodrigues pelo pescoço, fazendo-lhe uma "gravata", quando o juiz o ia advertir por ter agredido a soco um adversário.

Em seguida, o jogador "puxou-lhe a cabeça e desferiu-lhe uma pancada com o joelho, atingindo-o na cara, especialmente no nariz".

Em consequência da agressão, José Rodrigues esteve doente durante 60 dias, com igual afetação da capacidade para o trabalho, acrescenta o Ministério Público no seu despacho de acusação.

O árbitro, demandante no processo, reclama por isso ao arguido uma indemnização global de 32 mil euros, dos quais 25 mil se reportam a danos não materiais.

Ainda de acordo com a acusação, quando o árbitro era socorrido pelo massagista da equipa do Rio Tinto, o jogador dirigiu-se a ele novamente, proferindo expressões intimidatórias da sua integridade física e suscetíveis de coartar a liberdade pessoal do ofendido.

Depois do sucedido, que chegou a ser noticiado por agências internacionais, os dirigentes do Canelas 2010 garantiram que o jogador não voltaria a representar as cores do clube.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.