Futebol de praia conquista terceira medalha de ouro para Portugal em Minsk

Seleção nacional bateu a Espanha na final por 8-3 e somou a terceira medalha de ouro nos Jogos Europeus, após Fu Yu e Carlos Nascimento terem vencido no ténis de mesa e nos 100 metros, respetivamente

Portugal conquistou esta sexta-feira a medalha de ouro no torneio de futebol de praia dos Jogos Europeus, ao golear a Espanha por 8-3.

Lorenzo Goméz, aos dois minutos, e Javier Torres, aos sete, deram vantagem à seleção espanhola, mas Bernardo Martins, aos 15 e 32, Leo Martins, 17, 22 e 26, o guarda-redes Andrade, aos 24, Madjer, aos 25, e Jordan Santos, aos 30, concretizaram a reviravolta lusa. Mayor Hernandéz ainda reduziu a desvantagem e fixou o resultado em 8-3, aos 33.

Há quatro anos, em Baku, a seleção portuguesa tinha ido para casa com a medalha de bronze.

Portugal conquistou, até ao momento, 15 medalhas: três medalhas de ouro, pela seleção de futebol de praia, por Fu Yu em ténis de mesa e Carlos Nascimento nos 100 metros; seis de prata, pela equipa de judo, pelo ciclista Nelson Oliveira no contrarrelógio, pelas ginastas acrobatas Bárbara Sequeira, Francisca Maia e Francisca Sampaio Maia, nas provas de combinado e de exercício dinâmico, e por Fernando Pimenta, em K1 1.000 e K1 5.000 metros; e seis de bronze: a equipa masculina de ténis de mesa, Patrícia Esparteiro no karaté, as três ginastas na prova de equilíbrio, a judoca Telma Monteiro (-57 kg), a estafeta mista dos 4x400 metros e Diogo Ganchinho nos trampolins.

"Nunca nos passou pela cabeça ser prata"

O capitão da seleção portuguesa de futebol de praia, Majder, revelou após a goleada 8-3 sobre a Espanha na final dos II Jogos Europeus, que nunca lhe passou pela cabeça sair de Minsk com a medalha de prata. "Em Baku 2015 fomos bronze. Publicamente, dissemos que queríamos fazer melhor e a verdade é que nunca nos passou pela cabeça ser prata", disse, no fim do encontro que deu a Portugal a terceira medalha de ouro na Bielorrússia.

A Espanha foi mais consistente no primeiro período que acabou a vencer por 2-0, contudo a reviravolta épica nada tem de diferente por ser frente ao rival ibério. "Este ouro sabe da mesma forma do que se fosse contra outra seleção, é ouro", vincou, elogiando a "grande seleção" adversária.

Madjer diz que este sábado nada pararia os lusos: "A Espanha tem uma grande seleção, e parabéns pelo trabalho que tem vindo a realizar, mas nós vínhamos mentalizados para levar o ouro. E ficou provado que, quando nós jogamos unidos, dificilmente nos ganham".

O experiente futebolista marcou, em pontapé de saída, o 5-2 que "travou a reação que poderia ter acontecido", enaltecendo a "excelente resposta" da equipa nos segundo e terceiro períodos. "O segredo está na união, na entreajuda, no espírito de sacrifício que temos e só assim conseguimos conquistar títulos", concluiu.

Selecionador espanhol rendido

O selecionador português, Márcio Narciso, desvalorizou a recuperação de Portugal de 0-2 para 8-3, classificando-a como "normal no futebol de praia", e diz que este ouro "representa muito" para os seus pupilos."Esta medalha de ouro representa muito para nós, para qualquer atleta. Vir a uma competição destas e ganhar o ouro é quase ouro sobre azul... aqui é ouro sobre verde e encarnado", congratulou-se.

Mesmo afónico, o técnico agradeceu o "sacrifício e disponibilidade" dos seus atletas que jogaram praticamente o jogo todo - Bé Martins, Leo Martins, Rui Coimbra e Jordan, além do guarda-redes Elinton -- e a "paciência" dos que ficaram mais tempo no banco. Confidenciou ainda o desabafo do seu homólogo espanhol, Joaquin Alson, no final do jogo: "Nós, hoje, não tínhamos hipótese nenhuma contra vocês".

O ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, foi um espetador próximo e interventivo da bancada, vibrando com cada golo da reviravolta lusa. "Muitas vezes, uma equipa acaba por sofrer dois ou três golos, abre muito mais e isso implica que sofram mais golos e muitas vezes o resultado não traduz o fosso real entre as duas equipas", comentou. Em jeito de conclusão, resumiu: "Claramente, Portugal jogou muito melhor, está de parabéns, são superatletas que marcam claramente estes Jogos Europeus, mostrando o que muitos dos nossos atletas fizeram".

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.