Fusão de candidaturas. Ricciardi negoceia com Madeira Rodrigues

Os dois candidatos estão a dialogar mas ainda não chegaram a um acordo definitivo. Gestor pode abdicar a favor do banqueiro. Ricciardi diz estar aberto a agregar esta e outras candidaturas

Afinal em vez de sete candidatos à presidência do Sporting, podem ser apenas seis ou até menos a ir a votos, no dia 8 de setembro. José Maria Ricciardi e Pedro Madeira Rodrigues, sabe o DN, estão em negociações para concretizarem uma fusão, com o gestor (lista C) a abdicar a favor do banqueiro (lista B).

Ao que o DN apurou junto de fontes de ambas as candidaturas, nesta altura já há acordo em relação a algumas matérias, mas o pacto não está concluído. Uma das informações recolhidas pelo DN apontava no sentido de Ricciardi deixar cair José Eduardo, o homem que escolheu para liderar o futebol caso vencesse as eleições. Mas o próprio José Maria Ricciardi desmentiu ao DN tal possibilidade. "Não há cedências nenhumas, sobretudo aquelas que são cruciais na minha candidatura. Não tenho razões para deixar cair José Eduardo", referiu,

Ricciardi, contudo, não negou que possa existir um acordo com Madeira Rodrigues ou até mesmo com outras candidaturas: "Estou aberto a podermos agregar outras candidaturas que não terão chances de ganhar. Pedro Madeira Rodrigues é um grande sportinguista e estou aberto a recebê-lo se ele assim o entender, assim como a outras candidaturas. Mas não sei se será possível. Não excluo ninguém, mas sempre comigo a presidente. Se existirem novidades será a brevíssimo prazo. Mas neste momento não posso adiantar mais nada."

Ainda segundo foi possível apurar, Pedro Madeira Rodrigues terá aceite abdicar do seu grande nome: o treinador Cláudio Ranieri. José Peseiro reúne agora o consenso entre todos os candidatos, visto que o gestor da lista C era o único a ter um treinador, que não o atual, como trunfo eleitoral.

Ainda segundo as mesmas fontes, está ainda em discussão o cargo que Pedro Madeira Rodrigues poderá vir a ter na SAD. Ele defendia o cargo da liderança da Sociedade Anónima Desportiva, mas Ricciardi não parece disposto e abdicar de ser o líder do clube e da SAD. Em cima da mesa está um cargo de administrador para o desistente.

Com as eleições à porta e sem poderem mexer nas listas, resta aos dois candidatos chegar a um acordo para tudo o que sejam cargos extra eleição. E nesse campo o futebol é o mais apetecível. O líder da lista B (Ricciardi) estará disposto a receber Mariano Barreto, Delfim, Balakov e Marco Aurélio (apoiantes de Madeira Rodrigues) na futura estrutura do futebol, caso seja eleito, que já conta com os nomes de José Eduardo e Marco Caneira.

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.