Frederico Varandas: "Quem se quiser juntar, arranja-se espaço"

O candidato à presidência do Sporting considera que a sua lista é a mais forte.

O candidato à presidência do Sporting afirmou, esta quarta-feira, que está disponível para receber membros de outras candidaturas, mas considerou a sua a "mais forte" para vencer as eleições agendadas para 08 de setembro.

Na apresentação do seu programa eleitoral, com o nome de "8 pilares, 8 medidas e 0 suspeição", o antigo médico dos "leões" revelou que Miguel Albuquerque, atual diretor do futsal do clube, será o diretor geral de todas as modalidades e avançou que o "team manager" e o diretor de "scouting" para o futebol também já estão escolhidos e serão revelados brevemente.

"Acredito muito na competência da minha equipa e tenho a certeza que esta equipa vai vencer. Conheço a estrutura do Sporting como a minha mão. Quem se quiser juntar, arranja-se espaço", afirmou Frederico Varandas em conferência de imprensa, na sua sede da candidatura, em Lisboa.

Varandas garantiu que ainda não teve qualquer contacto para a junção de candidaturas, mas não descartou essa possibilidade, embora sempre a favor da sua.

O antigo responsável pelo departamento médico do Sporting fez uma apresentação geral do seu programa e destacou o seu plano para o futebol profissional, para a formação e também para as modalidades.

Para Varandas, o presidente do Sporting tem que ter "parte interventiva em todo o processo" no futebol profissional, departamento esse que tem que ter um "'team manager' e um diretor de 'scouting' competentes e com experiência".

"Em sete anos que lá estive, vi o treinador ter que se preocupar com outras áreas e um 'scouting' desatualizado, pouco profissional e deficitário. Tive jogadores a chegarem ao Sporting com oito, nove quilos a mais. Isso não pode voltar acontecer. É preciso acertar mais e falhar menos", disse.

Frederico Varandas assumiu a formação como uma das suas "maiores preocupações" e adiantou mesmo que o Sporting tem, neste momento, uma rede de "scouting" de formação "completamente abandonada".

"É preciso investir na formação e isso não é caro. Caro é contratar jogadores como o Douglas, que custa dois milhões por ano, e faz dois jogos por ano. Não aposto tudo na formação, mas aposto muito", explicou, referindo-se ao defesa-central que foi contratado pelos "leões" há duas temporadas.

Quanto às modalidades, Varandas quer criar um departamento profissional e prometeu o regresso do basquetebol, bem como a aposta em novos desportos, como o padel.

O médico reafirmou que, caso seja eleito, o Sporting vai continuar com a maioria da SAD e avançar para o 'naming' do Estádio José Alvalade, embora seja primeiro necessário "recuperar a credibilização da marca Sporting, algo que foi perdido nos últimos meses".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.