Frederico Varandas: "Ficaria muito contente se Bas Dost regressasse"

Candidato visou Carlos Vieira e disse que o team manager será um antigo jogador formado no Sporting e que se sagrou campeão em Alvalade

Para Frederico Varandas não importa quantas listas se submeterão ao crivo dos sócios leoninos a 8 de setembro. "Não sei se vão ser sete ou oito. Importante é que os sportinguistas percebam que esta é a candidatura. É indiferente serem sete ou oito, a nossa é forte", disse o médico antes de abordar supostas declarações de Carlos Vieira, que terá insinuado pressão de Frederico Varandas para que continue suspenso.

"Não tenho conhecimento jurídico, ele deve estar a falar de quando pedi para se demitirem, mas arrastaram o Sporting para a lama durante dois meses. Manobras de cosmética, dar o pino ou cambalhotas para trás não vale a pena. A partir daquele 20 de maio os membros do conselho diretivo tinham um só nome: Bruno de Carvalho. Não faço distinções entre nenhum deles", sustentou apoiado pelos aplausos dos apoiantes.

A finalizar, o candidato abordou o regresso de Bruno Fernandes e a possível marcha-atrás de Bas Dost: "O Bruno Fernandes deu um passo extremamente importante. Se Bas Dost o acompanhar é uma grande notícia para o Sporting. Vamos aguardar, ficaria muito contente se isso se confirmasse, é um excelente jogador e um excelente profissional."

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.