Franceses a viver o sonho e croatas com os sonhos desfeitos

De um lado e do outro, acreditou-se até ao fim na vitória. O Terreiro do Paço, em Lisboa, transbordou com os adeptos croatas incrédulos e os franceses a fazerem a festa

Se mais um entrasse, só mais um, o relvado da Arena Portugal desmoronava como um baralho de bandeiras, camisolas e cachecóis croatas e franceses. É essa a sensação que dá ao olhar de relance para o Terreiro do Paço, em Lisboa, apinhado de adeptos, a suarem por um lugar minimamente decente que permitisse assistir à final do Mundial entre a Croácia e a França.

Boa parte deles, diga-se de passagem, já um bocado longe do seu juízo perfeito. Indo direto ao assunto, estão bêbados. Perdidos de bêbados. O que nem se pode censurar dado que, muitos como o adepto francês, Rodolfhe Jacquemet, chegaram com duas e três horas de antecedência e tiveram de se entreter com o que havia mão até ao início do jogo: "Vive la France! Nous sommes des champions!" Nem vale a pena insistir, nada mais de jeito se consegue arrancar deste francês embriagado de cerveja e eufórico com sua seleção.

Franceses e croatas montaram o circo na Praça do Comércio e, de um lado e do outro, ainda há quem julgue estar dentro de um sonho, daqueles que há muito não viviam ou, então, nunca viveram, conta Katarina Krešo: "É inacreditável, mas agora acredito que estamos muito perto de fazer história." Do outro lado do relvado da Arena Portugal, Isla Camille tem exatamente o mesmo feeling, mas com a seleção francesa a substituir a croata e a roubar o sonho de Katarina e dos muitos como elas.

A pouco menos de 10 minutos da segunda parte desta final, a diferença de golos fazia já adivinhar para que lado o sonho iria continuar. Mas, no Terreiro do Paço, ninguém deu o troféu por adquirido até ao último segundo: "Estamos quase lá, vamos conseguir", diz Charlotte Martin, agitando a bandeira da França. E a meia dúzia de passos dela, havia quem ainda não desse tudo por perdido: "Estamos a lutar e vamos lutar até ao fim", assegura Tomislav Blazevic. No meio deste impasse, teve de ser o apito final do árbitro a acabar com o sonho dos croatas e a deixar que fossem os franceses a viverem o sonho deste Mundial que esta tarde chegou ao fim.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.