Finanças, Peseiro, Jesus e até Pinto da Costa no primeiro debate do Sporting

O primeiro debate entre candidatos às próximas eleições do Sporting teve apenas metade dos candidatos que já apresentaram as respetivas listas: José Maria Ricciardi, Dias Ferreira, Pedro Madeira Rodrigues e Rui Jorge Rego.

Frederico Varandas, Fernando Tavares Pereira e João Benedito recusaram participar em debates enquanto as candidaturas não forem validadas pelo presidente da Mesa da Assembleia Geral, Jaime Marta Soares. E Bruno de Carvalho, cuja candidatura não deverá ser aceite devido à suspensão de sócio aplicada ao ex-presidente, não foi convidado pela CMTV.

Os candidatos presentes começaram precisamente por criticar as ausências - com José Maria Ricciardi a apontar especialmente a Frederico Varandas -, num debate que se prolongou por mais de duas horas e teve alguns momentos mais quentes, sobretudo entre Pedro Madeira Rodrigues e Ricciardi, quando o tema foi o confronto geracional entre os candidatos e o passado de cada um deles.

A situação financeira do Sporting, a capacidade de atrair investimento, a manutenção ou não de José Peseiro como treinador da equipa de futebol, a hipótese de regresso de Jorge Jesus e até mesmo Pinto da Costa foram tema num debate no qual José Maria Ricciardi alertou para o facto de o Sporting ter de solucionar, no imediato, uma necessidade urgente de "122 milhões de euros", Dias Ferreira tentou sem sucesso obter um compromisso para a realização de uma segunda volta nas eleições, Pedro Madeira Rodrigues defendeu a sua opção por Claudio Ranieri para treinador e Rui Jorge Rego vincou ter "dois investidores que darão a cara na campanha".

Aqui ficam as intervenções mais relevantes de cada um, divididas por temas.

Segunda volta nas eleições?

Dias Ferreira:
"Queria fazer um repto: se estão dispostos a assumir um compromisso escrito sobre se aceitariam fazer uma segunda volta, caso não houvesse vencedor com maioria na primeira volta. Seria algo a estudar pela MAG e seria bem aceite pelos sócios. Todos falam que falta segunda volta e não vejo impedimento legal. Não vejo nada nos estatutos contra. Não vale a pena dizer que o presidente é fraco com 17 por cento. Parece-me que há alguns que lançaram a candidatura para ganhar com 15 por cento dos votos.."

José Maria Ricciardi:
"Isso tem alguns problemas estatutários. Já chega de incumprimentos estatutários no Sporting. Não é que tenha qualquer receio de uma segunda volta, mas não está estatutariamente prevista. Espero que quem ganhar consiga captar a vontade dos outros sócios."

Pedro Madeira Rodrigues:
"Mais do que segundas voltas, que vêm provocar confusão, o fundamental é que próximo presidente do Sporting junte estas pessoas que tiveram coragem de avançar e procure o contributo de cada uma delas. Todos temos qualidades válidas."

Rui Jorge Rego:
"Questão da segunda volta não é uma grande questão. Vemos presidentes eleitos com 90% destituídos pouco tempo depois. Situação do Sporting não tem a ver com a percentagem de votos mas sim com falta de resultados. Isto tem a ver com 3 campeonatos ganhos em 40 anos. É isso que temos de inverter."

Treinador e estratégia para o futebol?

Pedro Madeira Rodrigues:
"Quando avancei, o Mihaljovic era o treinador e isso não era o melhor, na minha opinião. Encontrei a solução Ranieri, à imagem de Bobby Robson é um treinador conhecido que vai trazer os holofotes bons para o Sporting. Agradeço a Peseiro, agradeço a coragem mas não o vejo como treinador a médio longo prazo"

José Maria Ricciardi:
"Sem dinheiro não há futebol. José Eduardo [proposto para diretor do futebol] dispensa apresentações quanto aos conhecimentos. Temos de passar a ganhar e nós viemos para ganhar de forma recorrente. Fui o único que fui no autocarro na última vez que fomos campeões nacionais e vi a alegria que sportinguistas tiveram. É isso que lhes vou dar e para isso são precisas condições financeiras. Serei o líder do clube e da Sad."

Dias Ferreira:
"Futebol e vitórias também atraem dinheiro. Precisamos é de ter pessoas competentes. É possível poupar e ter dinheiro para aplicar no devido lugar. Liderei o futebol quando já havia departamento profissional. Não fui no autocarro mas os jogadores quando passaram conheciam-me. Percebo mais de futebol do que aquilo que julgo. Não é só perceber de chutar a bola. Penso Sporting com a minha cabeça e com a experiência que tenho. Estive na génese da organização da Liga e conheço o meio e os seus bastidores. Uma das coisas que faço é que ninguém me engana. Não acredito em tudo."

Rui Jorge Rego:
"O Peseiro é o meu treinador e vai cumprir o contrato. Despedir Peseiro tem um custo. Achar que um balneário não fica destabilizado com um treinador que só ocupa o lugar por quatro jogos, perdoem-me mas isso é não conhecer um balneário. Ideias para o futebol? Desde logo a composição da SAD. Temos a contratação de um CEO e eu posso não ser o presidente do Conselho de Administração. Essa pessoa terá de ser expert do futebol. Essa pessoa não seria o presidente do clube. Isso de ser o testa de ferro de Bruno de Carvalho é mentira. A figura do chairman é a de um senador do Sporting e já tenho essa figura em mente. Não é Bruno de Carvalho! Tenho perfil traçado e várias pessoas que podem ocupar esse lugar."

Confronto de gerações

Pedro Madeira Rodrigues:
"Sporting não pode voltar ao passado e isto não é conversa de Bruno de Carvalho. Dias Ferreira e Ricciardi representam o passado. Detesto o rótulo do croquete mas é o momento de entrar uma equipa nova"

José Maria Ricciardi:
"Não aceito os pretensiosismos geracionais. Também não aceito o critério ridículo de que as pessoas do passado são do passado. Isto não está para estagiários. Pedro Madeira Rodrigues levou uma sova de Bruno de Carvalho nas eleições."

Dias Ferreira:
"Isto dos mais novos e velhos, daqui a pouco tenho de apresentar desculpa por ter currículo. Parece que isso é crime. O meu currículo está repleto. Se isto é mau? Os sócios julgarão. Isto não é para paraquedistas. Por que é que Pinto da Costa tem sido o presidente que tem sido? Porque começou por baixo."

Pedro Madeira Rodrigues:
"Não me sinto paraquedista, não aceito essa linguagem. E preocupa-me essa referência a Pinto da Costa como exemplo a seguir... Sporting tem de voltar a ter força. Estão à procura de um Pinto da Costa, se é para isso não votem em mim. Bruno de Carvalho abanou com o sistema mas não soube aproveitar uma oportunidade única para voltarmos a ser campeões. Era a personalidade dele, se calhar quis imitar Pinto da Costa e confundiu o clube com ele próprio"

Situação financeira

José Maria Ricciardi:
"Sporting despende 23 milhões de euros com as modalidades e na SAD 100 milhões. Portanto, no último ano foram 123 milhões. Tenho obrigação de dizer aos sócios: a situação líquida, o capital do grupo Sporting, é negativa em 153 milhões de euros. Passivo é superior a 200 milhões, não contando com a VMOC, que são um valor mobiliário híbrido. Agora vamos à parte mais grave. O Sporting tem um défice de tesouraria de 60 milhões de euros. A somar a isto temos no final do ano de pagar aos bancos 32 milhões de euros, por isso é que disse que isto não estava para estagiários. Com mais o empréstimo obrigacionista que tem de fazer em novembro são mais 30 milhões. No total estamos a falar de um valor de 122 milhões de euros"

[confrontado com uma escuta antiga onde dizia a Bruno de Carvalho que a solução para o Sporting era perder a maioria na SAD]:
"Essa escuta é ilegal. Isso foi há quatro ou cinco anos em que a situação era dramática. Eu já garanti agora, se for eleito, que o Sporting não vai perder a maioria da SAD, até porque a FIFA mudou as regras e as injeções nas SAD"s não podem ser superiores às receitas."

Pedro Madeira Rodrigues:
"Sobre os 122 milhões de euros, quem for presidente terá de ter este valor. Nós já conseguimos esse investimento através de um Empréstimo Obrigacionista. Temos Kuwait, Emirados, possibilidade de Arábia Saudita e Oman. Estamos a negociar a melhor taxa. Isto é só o princípio. Sporting é uma marca valiosíssima."

Rui Jorge Rego:
"Tenho 2 investidores que darão a cara por este projeto na campanha. Não temos grandes preocupações nesse ponto neste momento. Temos VMOC's que valem 120 milhões e podem ser compradas por 39 milhões."

José Maria Ricciardi:
"Pedro Madeira Rodrigues diz que já arranjou empréstimo obrigacionista de 120 milhões. Nós já temos uma dívida de 200 milhões, portanto ele acha que a solução é termos uma dívida de 320! Aumentar o passivo da SAD? Com as taxas de juro que vão continuar a subir no mundo inteiro?

Regresso de Jorge Jesus

José Maria Ricciardi
"Tenho grande consideração por Jorge Jesus e sou seu amigo pessoal. Ele é um valorizador de jogadores extraordinário, mas ele tem outro projeto em mãos. O atual treinador não merece ser desvalorizado. Se começamos a época a dizer que vamos mudar, acha que isto é criar condições para uma pessoa trabalhar à frente de uma equipa de futebol? Acho que isso é uma irresponsabilidade. José Peseiro, agora, para mim, como treinador do Sporting, é o melhor do mundo."

Dias Ferreira
"Gostava de Jesus mas ele está no Al-Hilal. Também gostava de ter preparado a época no início. Tenho uma realidade que é o mínimo de estabilidade. Ranieri? Isso é estar a '"reinar" connosco. Como se ele fosse a última Coca-Cola do deserto."

Rui Jorge Rego
"Jesus não faz sentido, Peseiro vai ser campeão e não vou despedir um treinador campeão."

Pedro Madeira Rodrigues
"Agradeço a Jorge Jesus a forma como aguentou o barco nesta fase final da épcoa, mas esteve três anos no Sporting e ganhou uma Supertaça e uma Taça da Liga. Saiu, e bem. Mas nunca se diz nunca mais."

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.