Filho de Schumacher já assinou pela Ferrari

"Estou muito feliz. É outro passo na direção correta", comentou Mick Schumacher, campeão de Fórmula 3, que vai fazer parte da academia de jovens pilotos da escuderia italiana

Michael Schumacher conseguiu cinco dos seus sete títulos mundiais ao volante de um Ferrari e num futuro próximo o apelido Schumacher pode voltar a marcar presença num carro da escuderia italiana na Fórmula 1.

Aos 19 anos, o filho mais velho do antigo campeão, Mick Schumacher, assinou um contrato com a Ferrari Driver Academy (FDA) e vai integrar a academia da marca italiana que forma jovens pilotos com potencial futuro para chegar à categoria rainha do automobilismo mundial.

Mick Schumacher é atualmente o campeão da Fórmula 3 europeia e na próxima época vai disputar o Mundial de fórmula 2, uma espécie de antecâmara para a elite.

"A Ferrari Driver Academy comunica que assinou um contrato com o campeão de Fórmula 3 Europa 2018, Mick Schumacher. Mick, que em 2019 correrá no campeonato de Fórmula 2, trabalhará desde a próxima semana com os seus companheiros da FDA nas atividades de preparação da pré-temporada", informa o comunicado oficial da Ferrari.

Na academia da Ferrari, Schumacher vai ter a companhia de Giuliano Alesi, filho de outro ex-piloto da Ferrari, Jean Alesi, e de Callum Ilott, também pilotos de F2; Marcus Armstrong e Robert Shwartzman, que correrão na F3; Enzo Fittipaldi, neto do brasileiro Emerson Fittipaldi, que correrá a Fórmula Regional europeia; e Gianluca Petecof, que disputará a F4 italiana e alemã.

"Estou muito feliz por ter alcançado um acordo com a Ferrari e por o meu futuro nas competições automóveis ser de vermelho. É mais um passo na direção correta", assegurou Mick Schumacher. "Farei tudo para aprender e evoluir no sentido de conseguir realizar o meu sonho de competir na Fórmula 1", acrescentou o filho do recordista de títulos da F1.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.