Filho de Schumacher já assinou pela Ferrari

"Estou muito feliz. É outro passo na direção correta", comentou Mick Schumacher, campeão de Fórmula 3, que vai fazer parte da academia de jovens pilotos da escuderia italiana

Michael Schumacher conseguiu cinco dos seus sete títulos mundiais ao volante de um Ferrari e num futuro próximo o apelido Schumacher pode voltar a marcar presença num carro da escuderia italiana na Fórmula 1.

Aos 19 anos, o filho mais velho do antigo campeão, Mick Schumacher, assinou um contrato com a Ferrari Driver Academy (FDA) e vai integrar a academia da marca italiana que forma jovens pilotos com potencial futuro para chegar à categoria rainha do automobilismo mundial.

Mick Schumacher é atualmente o campeão da Fórmula 3 europeia e na próxima época vai disputar o Mundial de fórmula 2, uma espécie de antecâmara para a elite.

"A Ferrari Driver Academy comunica que assinou um contrato com o campeão de Fórmula 3 Europa 2018, Mick Schumacher. Mick, que em 2019 correrá no campeonato de Fórmula 2, trabalhará desde a próxima semana com os seus companheiros da FDA nas atividades de preparação da pré-temporada", informa o comunicado oficial da Ferrari.

Na academia da Ferrari, Schumacher vai ter a companhia de Giuliano Alesi, filho de outro ex-piloto da Ferrari, Jean Alesi, e de Callum Ilott, também pilotos de F2; Marcus Armstrong e Robert Shwartzman, que correrão na F3; Enzo Fittipaldi, neto do brasileiro Emerson Fittipaldi, que correrá a Fórmula Regional europeia; e Gianluca Petecof, que disputará a F4 italiana e alemã.

"Estou muito feliz por ter alcançado um acordo com a Ferrari e por o meu futuro nas competições automóveis ser de vermelho. É mais um passo na direção correta", assegurou Mick Schumacher. "Farei tudo para aprender e evoluir no sentido de conseguir realizar o meu sonho de competir na Fórmula 1", acrescentou o filho do recordista de títulos da F1.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.