Filho de Neymar interrompe o pai em conferência de imprensa para pedir uma dança a Richarlison

Avançado da seleção brasileira falava aos jornalistas ao lado do filho quando o filho Davi Lucca, de 7 anos, pediu para o companheiro de seleção fazer a "dança do Pombo" quando festejar um golo

A conferência de imprensa dada esta quinta-feira por Neymar, em Londres, no âmbito da concentração da seleção brasileira, foi bastante rica. O avançado falou das revelações do Football Leaks a seu respeito, da melhor posição para ele, da braçadeira de capitão do escrete, do amor pelo filho Davi Lcuca (sete anos), dos adversários desta sexta-feira Suárez e Cavani e até fez um balanço pessoal de 2018. Mas foi depois de responder a uma pergunta sobre o companheiro de seleção e atacante do Everton, Richarlison, que se deu o momento alto da sessão.

Enquanto um jornalista traduzia a resposta do jogador do PSG, o filho de Neymar, que estava sentado ao lado do pai, sussurra-lhe ao ouvido, seguindo-se uma gargalhada do progenitor. "O meu filho acabou de pedir para que o Richarlison faça a dança do pombo no próximo golo", revelou, em alusão ao habitual festejo de Richarlison.

De resto, Neymar contou que "dá risada" e que ao mesmo tempo fica "muito triste, chateado, por inventarem histórias, coisas que não são reais", confessou, em alusão ao Football Leaks. "Acho uma falta de respeito quando não é verídico, não perguntam, não querem saber a verdade. Perde credibilidade. É muito complicado, peço para que tenham cuidado. Para nós atletas é chato escutar histórias que não são reais. Perdemos a vontade de comunicar com vocês. Se for algo verdadeiro, não tenho problema nenhum em chegar aqui e dizer que é verdade, pedir desculpas. Peço que tomem cuidado com fake news", vincou, na véspera de defrontar o Uruguai dos "dois grandes craques" Suárez e Cavani, no Estádio Emirates.

"Eu joguei com o Suárez e estou jogando com o Cavani. Sei das qualidades deles, podem resolver jogos. Temos que estar ligados. É sempre bom enfrentar jogadores de qualidade porque isso tira seu melhor", rematou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.