Figo em vias de ser candidato à presidência do Sporting

Muitos sportinguistas têm conversado e tentado encontrar um candidato aglutinador. O antigo futebolista formado em Alvalade é, até ver, o desejado para unir e, talvez, fazer cair algumas das candidaturas anunciadas

Luís Figo pode vir a anunciar a candidatura à presidência do Sporting no início da próxima semana, segundo apurou o DN junto de fonte bem colocada no processo. Esta possibilidade nasce após muitas conversas promovidas por sportinguistas desagradados com elevado número de candidaturas que existem e que no entender desses adeptos, muitos deles com notoriedade na nossa sociedade, tenderá a desunir ainda mais o clube, até por ainda não ter surgido um nome considerado suficientemente forte pelos referidos adeptos.

Nesse sentido partiram em busca de um nome aglutinador que pudesse ser bem visto pela maioria dos sócios e adeptos do Sporting, em especial os primeiros pois são aqueles que votam. Após alguma procura, Luís Figo foi o eleito. O antigo jogador não recusa essa possibilidade, mostrando vontade em chegar a uma plataforma de entendimento que lhe permita liderar o clube onde se formou.

O modelo que tem sido falado passaria por Luís Figo como presidente do clube e chairman da SAD, que teria à sua frente um CEO escolhido pelo antigo Bola de Ouro.

Se as conversas com Figo forem coroadas de sucesso o anúncio será feito no início da próxima semana, pois o tempo joga contra quem se quer candidatar e ainda não se fez anunciar.

No entender de quem está por trás deste movimento, caso Luís Figo avance de facto, há margem para que algumas das candidaturas desistam de forma a não serem criadas mais clivagens.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.